Rosa Cullell: “As audiências estão piores, mas o grupo é sólido e saudável”

Rosa Cullel era diretora executiva da Media Capital, dona da TVI, desde 2011. Oito anos depois, foi anunciada a sua saída da direção do grupo de media, sendo substituída por Luís Cabral. Na hora da saída contou que deixa o grupo após “o ano com melhor resultado líquido”.

Rosa Cullell, ex-diretora executiva da Media Capital | Cristina Bernardo

Rosa Cullel, a administradora que está de saída da liderança da Media Capital para dar lugar a Luís Cabral, afirmou esta segunda-feira, em entrevista ao “Público”, que sai depois de ter tentado fazer tudo para cumprir os objetivos do grupo.

Na hora da saída, após oito anos de liderança, disse: “As audiências estão pior, mas o grupo é sólido e saudável financeiramente, tem uma dívida muito menor do que tinha, um cashflow muito bom e em 2018 fechamos com um EBITDA dentro daquilo que estamos à procura, entre 40 e 41 milhões de euros. Foi o ano com melhor resultado líquido”.

Sobre a sua saída, a gestora contou que já deveria ter saído em 2017, mas que com a tentativa de vender a Media Capital à Altice Portugal, aceitou ficar mais tempo. “Eu cheguei em 2011 para ficar quatro anos. Depois a Prisa teve muitas mudanças e pediram-me para ficar e eu aceitei, sempre a dizer que só ficava até 2017. Com a venda à Altice, pediram-me para ficar até a operação acabar. Entretanto, o Manuel Mirat foi nomeado CEO da Prisa e pediu-me para não ir embora imediatamente”, detalhou.

Questionada também pela operação que determinava a venda da Media Capital, Rosa Cullell apontou o dedo à Autoridade da Concorrência, que “não ajudou aquilo [a operação de venda] a prosperar”, mas que o facto de a Altice também não ter “querido cumprir as exigências do regulador” impossibilitaram a conclusão da operação. Cullel entende ainda que no caso da Altice e da Media Capital, os reguladores foram o travão num mercado em que “há uma visão baseada nos anos 1970 e 1980”.

“Naquela altura, a Altice tinha um projeto de conteúdos, que era para a Europa e para os EUA. Isso para mim seria um sonho, poder ter uma empresa capaz de produzir para distintas plataformas e TV na Europa, em línguas distintas”, acrescentou, revelando depois que, em matéria de produção de conteúdos, a TVI teve “uma co-produção quase fechada com a Netflix”.

Essa co-produção não se concretizou por causa da falta de transposição de legislação europeia. “Essa legislação dita que 30% dos conteúdos das plataformas estrangeiras têm de ser em produto nacional e na língua do país, algo fundamental para a indústria”, explicou Cullell. Contudo, a gestora diz que essa transposição não será uma realidade antes de 2021.

Sobre a nova estratégia da Media Capital, Rosa Cullell disse que, “agora, a nova estratégia tem de ser feita pelo Luís Cabral”.

Luís Cabral foi anunciado como novo CEO da Media Capital na sexta-feira, 12 de julho, numa transição de lideranças que estava a ser preparada há um ano. O grande desafio da nova gestão será o de recuperar terreno perdido para a concorrente SIC. Questionada se a TVI está a reinventar-se para essa batalha, Cullell finalizou: “Tem que se reinventar. Porque, de facto, o que estão a fazer na SIC é o que fazíamos”.

Ler mais
Relacionadas

Luís Cabral é o novo CEO da TVI

Esta será uma opção interna por parte da Prisa, dado que Luís Cabral exerce atualmente o cargo de administrador da Media Capital, passando assim a ser CEO da empresa.

Prisa pondera mudar estratégia na Media Capital. Gestora pode estar de saída

Rosa Cullel está à frente da dona da TVI desde 2011, sendo que o ano de 2019 marcado pela perda de liderança nas audiências da estação de televisão pela primeira vez desde 2005.
Recomendadas

Efeitos da pandemia da Covid-19 leva vendas da Henkel a cair 6%, para 9,5 mil milhões de euros no primeiro semestre de 2020

O lucro antes de juros e imposto sobre os rendimentos (EBIT), ou lucro operacional ajustado, fixou-se nos 1.191 milhões de euros entre janeiro e junho, o que se traduz num tombo de 27,5% face a igual período de 2019. A margem EBIT ajustada foi de 12,6%.

Coca-Cola regista perdas de 48% no mercado ibérico no segundo trimestre

A empresa de bebidas teve uma receita de 338 milhões de euros na sua divisão ibérica que engloba os territórios de Espanha, Portugal e Andorra. A faturação foi de 917 milhões, menos 28,5% do que o verificado no primeiro semestre do ano passado.

Porto de Leixões investe 13,5 milhões de euros em rebocadores de 70 toneladas de força de tração

Estes novos rebocadores vão substituir outros dois com mais de 40 anos e estão em linha com a estratégia de descarbonização que a administração portuária tem vindo a desenvolver nos portos sob sua jurisdição.
Comentários