Rui Pinto vai a julgamento acusado de 93 crimes

O alegado pirata informático estava indiciado por 147 crimes mas vai ser julgado por 93 delitos. Rui Pinto mantém-se em prisão preventiva.

O Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa decidiu hoje levar a julgamento Rui Pinto, criador do Football Leaks, por 93 crimes de acesso ilegítimo, acesso indevido, violação de correspondência, sabotagem informática e tentativa de extorsão, deixando cair 53 crimes de violação de correspondência.

Além da indiciação por estes 93 crimes, Rui Pinto soube esta sexta-feira que irá manter-se em prisão preventiva. Segundo a SIC Notícias, caíram alguns dos crimes de violação de correspondência por os visados não terem apresentado queixa.

Sobre os crimes que caíram, o advogado de Rui Pinto, Francisco Teixeira da Mota, à saída do TIC de Lisboa, afirmou que a defesa apenas apresentou – “e a juíza concordou” – que a violação de correspondência é um crime que tem a ver com a pessoa a que é dirigida a correspondência”.

“Essa pessoa é que é a titular do direito a proteger individualmente, e não a empresa ou a instituição do trabalho.O que houve foi que mais de cinquenta pessoas declararam expressamente que não pretendiam o processo ou se abstiveram de dizer seja o que for. Não havendo queixa, o processo não prossegue e foi o que a juíza entendeu”, completou.

Em reação ao anúncio do julgamento, Francisco Teixeira da Mota disse: “Não estávamos à espera de não ir a julgamento. Nunca pedimos para não sermos pronunciados, só entendemos que a classificação que o Ministério Público tinha feito a determinados atos não eram juridicamente o que eles diziam”.

Questionado se estava satisfeito com a redução dos crimes que Rui Pinto terá de responder, Teixeira da Mota afirmou: “Houve uma parte dos objetivos que foram atingidos objetivamente”.

O advogado de defesa esclareceu que “ninguém” levantou a questão de Rui Pinto ser um denunciante ou um whistleblower. “Foi discutida meramente a classificação jurídica dos atos”, afirmou.

Francisco Teixeira da Mota acrescentou, ainda, aos jornalistas que vai reunir com Rui Pinto na segunda-feira, 20 de janeiro.

Em setembro de 2019, o Ministério Público (MP) acusou Rui Pinto de 147 crimes, 75 dos quais de acesso ilegítimo, 70 de violação de correspondência, sete deles agravados, um de sabotagem informática e um de tentativa de extorsão, por aceder aos sistemas informáticos do Sporting, da Doyen, da sociedade de advogados PLMJ, da Federação Portuguesa de Futebol e da Procuradoria-Geral da República, e posterior divulgação de dezenas de documentos confidenciais destas entidades.

A abertura da instrução, fase facultativa que visa decidir se o processo segue e em que moldes para julgamento, foi requerida pela defesa dos dois arguidos no processo: Rui Pinto e o seu advogado, à data dos factos, Aníbal Pinto, acusado de intermediar a tentativa de extorsão, de entre 500.000 euros a um milhão de euros, ao fundo de investimento Doyen.

Em setembro de 2019, o MP acusou Rui Pinto de 147 crimes, 75 dos quais de acesso ilegítimo, 70 de violação de correspondência, sete deles agravados, um de sabotagem informática e um de tentativa de extorsão, por aceder aos sistemas informáticos do Sporting, da Doyen, da sociedade de advogados PLMJ, da Federação Portuguesa de Futebol e da Procuradoria-Geral da República, e posterior divulgação de dezenas de documentos confidenciais destas entidades.

Em 18 de dezembro de 2019, Francisco Teixeira da Mota explicou aos jornalistas, à entrada do TIC de Lisboa, antes do início da fase instrutória, que apenas requereu a instrução com o objetivo de reduzir os 147 crimes. Em causa não está o arguido não ir a julgamento, mas antes, corrigir “aspetos legais”, como a duplicação de crimes.

O advogado referiu na ocasião que Rui Pinto não pediu para falar nesta fase, mas que “falará quando tiver de falar”, acrescentando esperar que a juíza de instrução faça o “enquadramento legal” dos factos que constam da acusação.

No debate instrutório, a procuradora do MP Patrícia Barão defendeu que Rui Pinto e o advogado Aníbal Pinto sejam pronunciados (levados a julgamento) nos exatos termos da acusação.

Para a procuradora, não há nulidades na acusação e foram respeitadas “todas as exigências e procedimentos legais” no pedido de alargamento de Mandado de Detenção Europeu (MDE) feito pelas autoridades portuguesas e autorizado pela Hungria, o que permitiu à justiça portuguesa alargar a investigação e a acusação a Rui Pinto.

A defesa de Rui Pinto considerou, por seu lado, que o processo “desperta ódios e raivas particulares e entendimentos pouco racionais”, apontando “falhas graves” à extensão do MDE, que, inicialmente, apenas abrangia os acessos ilegais aos sistemas informáticos do Sporting e da Doyen.

Quanto aos crimes de violação de correspondência, a defesa ficou admirada pelo facto de a procuradora do MP pedir julgamento nos termos da acusação, mantendo estes crimes, quando, segundo Teixeira da Mota, os lesados desistiram de apresentar queixa contra Rui Pinto.

Já a defesa de Aníbal Pinto, a cargo de Amílcar Fernandes, acusou o advogado Pedro Henriques de ser um “agente provocador” e de ter tido uma atuação “enganosa”, quando representou a Doyen na negociação com Aníbal Pinto, então advogado de Rui Pinto.

A tentativa de extorsão diz respeito à Doyen (de entre 500 mil e um milhão de euros), levada a cabo por Rui Pinto em outubro de 2015, com a intermediação de Aníbal Pinto, com a contrapartida de o criador do Football Leaks não revelar documentos confidenciais deste fundo de investimento.

A procuradora do MP alegou que Pedro Henriques atuou enquanto “amigo” de Nélio Lucas (à data administrador da Doyen) e não enquanto advogado, sustentando que só quando Aníbal Pinto se apercebeu de que Nélio Lucas não iria avançar com o pagamento, “tentou branquear a sua atuação”, desistindo da negociação.

O advogado Amílcar Fernandes discordou desta posição, sublinhando que o seu constituinte manteve os contactos “sigilosos” com Pedro Henriques na qualidade de advogado. Amílcar Fernandes defendeu que Aníbal Pinto nunca cometeu nenhum crime e que, assim que se apercebeu de algo menos lícito, desistiu voluntariamente.

 

  • Notícia em atualização
Ler mais
Relacionadas

Football Leaks: Adiada para sexta-feira leitura da decisão instrutória de Rui Pinto

O Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa adiou hoje para sexta-feira a leitura da decisão instrutória de Rui Pinto e do advogado Aníbal Pinto, depois de proceder a uma “alteração da qualificação jurídica” dos crimes.

Miguel Poiares Maduro: “Rui Pinto? Única preocupação é investigar a prática de crimes e ignorar o que está à volta”

O antigo presidente do Comité de Governação da FIFA mostra também preocupação pela imagem que o Ministério Público está a transmitir para o panorama internacional. “A perceção é de que em Portugal, aquilo que pode estar em causa com o Rui Pinto são interesses poderosos que o país não gosta de colocar em causa”, refere.

Advogado do Wikileaks ao JE: “É escandaloso Rui Pinto estar preso”

“Não cometeu nenhuma violência, nenhuma pessoa foi atingida na sua dignidade. A partir daí não há nenhuma razão para estar na prisão”, disse sobre o alegado hacker português o advogado que faz parte da equipa legal do delator Julian Assange.
Recomendadas

Justiça suíça acusa presidente do PSG e antigo responsável da FIFA de gestão danosa

O Ministério Público da Suíça acusa Al-Khelaifi de incitar Valcke “a cometer crime agravado de gestão danosa”, enquanto o antigo dirigente do organismo que rege o futebol é suspeito de “vários crimes de gestão danosa agravada e falsificação de documentos”.
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Bastonário desafia Ana Gomes a apresentar uma participação disciplinar sobre advogados que participem em esquemas de transferências para offshore

A ex-eurodeputada questionou sobre se a Ordem dos Advogados verifica se os escritórios dos advogados cumprem com o dever de recusarem a prestação de serviços sempre que suspeitarem de uma operação que vise a obtenção de resultados ilícitos. Luís Menezes Leitão vincou que “a Ordem não tem condições para analisar todos e quaisquer processos que ocorram no país para se saber se em algum deles deveria ter sido recusado o patrocínio”.

Tribunal de Contas refuta acusações de ministro do Ensino Superior sobre auditoria

O Tribunal de Contas (TdC) refutou esta quarta-feira as acusações do ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor, sobre a auditoria ao modelo de financiamento do setor, considerando-as inaceitáveis e infundadas.
Comentários