Rui Rio acusa a ministra da Justiça de decidir em causa própria no aumento dos salários dos juízes

O líder do PSD insiste nas críticas à iniciativa do Governo de aumentar os salários dos juízes, salientando que a atual ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, vai beneficiar diretamente dessa medida quando retomar a sua carreira de magistrada. “Irá ganhar mais do que o primeiro-ministro”, escreveu Rui Rio no Twitter.

“Com a aprovação da proposta do Governo de aumento do salário dos juízes, a senhora ministra [da Justiça], que pertence ao Supremo Tribunal de Justiça desde 2016, quando sair da função será promovida: irá ganhar mais do que o primeiro-ministro e ainda terá parte do salário livre de IRS”, escreveu ontem Rui Rio na sua página oficial na rede social Twitter, referindo-se à ministra Francisca Van Dunem.

No dia anterior, o líder do PSD já tinha escrito duas mensagens sobre o mesmo tema. Na primeira considerou ser “uma falta de sentido de Estado e uma injustiça para as demais carreiras profissionais. Um Governo fraco com os fortes e forte com os fracos. Na vida temos de ter a coragem de fazer exatamente o contrário; para nunca nos zangarmos com nós próprios”. Na segunda divulgou “a tabela de remunerações dos magistrados e a que o Governo quer fazer aprovar na votação de amanhã [sexta-feira, dia 31 de maio] no plenário da Assembleia da República. Um professor que consiga chegar ao topo da carreira, ganha menos que um juiz estagiário. O Governo acha pouco e ainda quer aumentar mais. Que justiça na Justiça!”

Ontem, na Assembleia da República, os deputados do PS, PCP, PEV e CDS-PP aprovaram uma norma do Estatuto dos Magistrados Judiciais que permitirá aos juízes conselheiros um vencimento superior ao do primeiro-ministro. Votaram contra a alteração à lei as bancadas parlamentares do BE, PSD e PAN, além do deputado não inscrito Paulo Trigo Pereira.

Após a votação, pelo menos 10 deputados do PS anunciaram declarações de voto, alguns deles invocando ter sido imposta a disciplina de voto, o que levou Carlos César, presidente do Grupo Parlamentar do PS, a pedir a palavra e garantir o contrário. Na bancada do CDS-PP, o deputado Pedro Mota Soares também anunciou uma declaração de voto, lamentando que tenha sido imposta a disciplina de voto.

Não é a primeira vez que um dirigente do PSD salienta que a atual ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, vai beneficiar diretamente do aumento dos salários dos juízes quando retomar a sua carreira profissional de origem. “Quem fez a negociação com a Associação Sindical dos Juízes Portugueses para que esta proposta pudesse ter seguimento foi a senhora ministra da Justiça, sabendo ele que a senhora ministra da Justiça é juíza conselheira do Supremo Tribunal de Justiça, não estando a exercer porque está no Governo. (…) A ministra esteve a negociar quanto é que vai receber quando sair do Governo, qual vai ser o seu ordenado quando integrar os quadros do Supremo Tribunal de Justiça”, afirmou David Justino, vice-presidente do PSD, a 10 de abril, no programa “Almoços Grátis” da TSF.

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) congratulou-se ontem com a aprovação da norma. Em declarações aos jornalistas, em Coimbra, o presidente da ASJP, Manuel Soares, desvalorizou a polémica dos últimos dias em torno deste assunto, frisando que, “contrariamente ao que está a ser dito”, esta alteração “apenas recupera um modelo remuneratório” aprovado em 1990, durante um dos governos do PSD liderados por Aníbal Cavaco Silva.

Ler mais
Recomendadas

“Não devemos deixar cair ninguém abaixo do mínimo de dignidade”, alerta Provedora de Justiça

A Provedora de Justiça considera positivas novas medidas de apoio aos trabalhadores independentes, mas renovou hoje no Parlamento o alerta que em várias situações estes continuam sem proteção como casos dos que não se encontram abrangidos exclusivamente pelo regime contributivo dos trabalhadores independentes ou o de membros de órgãos estatutários, mas exercem trabalho por conta de outrem em part-time.

Caso BES: Ministério Público espera ainda usar provas da Suíça no julgamento

Segundo o Público, os procuradores esperam que as provas pedidas às autoridades suíças possam ser ainda adicionados até ao julgamento, uma vez que entre a acusação, que deverá estar pronta até 16 de julho, e o julgamento deverá decorrer um ano.

António Mexia e Manso Neto pedem afastamento do juiz Carlos Alexandre, dizem que decisões são “parciais”

O pedido suspende interrogatórios no caso Manuel Pinho / CMEC que estavam previstos para dias 2 e 3 de junho. A defesa liderada pelo advogado João Medeiros alega que até que o Tribunal da Relação de Lisboa decida sobre o requerimento de recusa apresentado, o juiz Carlos Alexandre só poderá praticar atos processuais considerados como urgentes pela lei.
Comentários