Rui Rio alerta que a dívida pública tem subido “ao contrário do que o Governo tem dito”

“Tal como tenho alertado – e ao contrário do que o Governo tem dito – a dívida pública não tem baixado; tem subido. O que baixou foi a relação entre a dívida e o PIB”, destaca o líder do PSD, em publicação na rede social Twitter.

O presidente do PSD, Rui Rio, publicou hoje uma mensagem na rede social Twitter em que alerta para o aumento da dívida pública em Portugal, “ao contrário do que o Governo tem dito”.

“Tal como tenho alertado – e ao contrário do que o Governo tem dito – a dívida pública não tem baixado; tem subido. O que baixou foi a relação entre a dívida e o PIB”, salienta Rio, na publicação em causa.

“Mas a taxa de juro, que determina o que os portugueses pagam de juros, incide sobre a dívida e não sobre um rácio”, conclui Rio.

O Banco de Portugal informou hoje que a dívida pública aumentou 400 milhões de euros em novembro, face a outubro, atingindo 251,48 mil milhões de euros, um novo máximo histórico.

Para o aumento da dívida em novembro contribuíram sobretudo os empréstimos e as emissões de títulos de dívida, ressalvou o Banco de Portugal.

Ler mais
Relacionadas

Dívida pública em máximos históricos em novembro

Dívida pública bateu recordes em novembro, pelo segundo mês consecutivo, impulsionada pelas emissões de títulos de dívida e empréstimos. Em dezembro, o valor deverá recuar , refletindo o pagamento antecipado ao FMI.
Recomendadas

PremiumPortugal atinge recorde de 24 milhões de turistas em 2019

Presidente do Turismo de Portugal acredita que o crescimento verificado no final do primeiro semestre se irá manter na segunda metade do ano.

Tem carro a gasóleo? Vem aí novo aumento na próxima semana

Já a gasolina vai sofrer uma descida pela segunda semana consecutiva.

PremiumIndústria 4.0: Aposta na formação é essencial para futuro da economia

Em janeiro deste ano a CIP publicou um estudo, elaborado pela McKinsey Global Institute e pela Nova School of Business and Economics, que apontou que a robotização e automação de alguns setores da economia poderão extinguir 1,1 milhões de postos de trabalho na próxima década.
Comentários