Rui Rio: “Enquanto for líder, o PSD não participa em circos. Não é a minha especialidade”

Líder do PSD falou esta sexta-feira sobre a greve dos motoristas. Fez um apelo à moderação e criticou o Governo de lançar um “circo mediático” tendo-se colocado “de um dos lados da barricada”.

O presidente do PSD acusou hoje o Governo de ter “montado um circo mediático” em torno da greve dos motoristas e apelou ao Executivo para que seja um “árbitro a sério” nas negociações.

“O PSD sempre disse que este conflito só pode ter uma solução e essa solução é justamente a mesa das negociações, como nós estamos num conflito entre privados e não num conflito no setor público, o Governo aqui tinha a obrigação de se portar como um mediador, ou seja, de ser um árbitro nesta questão”, disse Rui Rio em conferência de imprensa, na sede do Porto.

Mas, na opinião do social-democrata, o Governo de António Costa optou por fazer exatamente o contrário, por não ser “equidistante”, montando um “circo mediático” e colocando-se num dos “lados da barricada”.

“Dizia que mediava, mas ao mesmo tempo ia semeando o alarmismo na sociedade”, apontou.

“O PSD apela à boa fé de ambas as partes, quer dos sindicatos, quer da entidade patronal, e apela à isenção do Governo de modo a que possa ser um árbitro a sério, numa matéria que precisa de um árbitro”, declarou Rui Rio.

O SNMMP admitiu hoje suspender a greve a partir do início de uma reunião de mediação “a ser convocada pelo Governo” e até ao plenário de motoristas marcado para domingo.

“Porque queremos deixar claro ao país e às partes que sempre estivemos de boa-fé neste processo, anunciamos, desde já, a suspensão temporária da greve a partir da hora de início da reunião a ser convocada pelo Governo, suspensão essa que produzirá os seus efeitos até ao Plenário Nacional de Motoristas de Cargas Perigosas, marcado para o próximo domingo, momento em que os motoristas irão decidir pelo seu futuro”, indica o SNMMP em comunicado divulgado hoje.

O sindicato explica que “considera que face à nomeação, hoje, de um Mediador da DGERT [Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho] para dar início às negociações com a ANTRAM, entendeu que estão criadas as condições necessárias para todas as partes se sentarem à mesa”.

Os motoristas têm estado em greve desde segunda-feira (12 de agosto), uma paralisação que começou por ser convocada por dois sindicatos, o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), mas o SIMM desconvocou o protesto na quinta-feira à noite.

A decisão do SIMM surgiu perto das 23:00, na sequência de uma reunião no Ministério das Infraestruturas, gabinete onde se encontravam também dirigentes da ANTRAM.

Esta decisão deixou o SNMMP sozinho no protesto, depois de esta estrutura sindical ter pedido na quinta-feira a mediação do Governo para chegar a um entendimento com a ANTRAM.

A greve fora convocada com o objetivo de reivindicar junto da ANTRAM o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Na segunda-feira, ao final do primeiro dia de greve, o Governo decretou uma requisição civil, parcial e gradual, alegando incumprimento dos serviços mínimos.

Ler mais
Relacionadas
gasolina_combustiveis_greve_motoristas

Governo e SNMMP reúnem esta tarde. Greve mantém-se

O SNMMP referiu que suspenderia a greve a partir da hora em que reunisse com a Antram. Reunião irá decorrer esta tarde mas a reunião mantém-se.
pedro_pardal_henriques_vice_presidente_francisco_são_bento_presidente_SNMMP

Motoristas de matérias perigosas admitem suspender temporariamente a greve

A decisão final será tomada no domingo, de acordo com o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas.
Francisco_São_Bento_pardal_henriques_SNMMP_sindicato_motoristas_greve

Motoristas de matérias perigosas: “Vamos continuar a greve. Estamos aqui duros como o aço”

“Não considero que seja teimosia. Não conseguimos perceber o arrependimento do SIMM”, afirmou o presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas.
Recomendadas

OE2020: Partidos apresentaram mais de mil propostas de alteração à proposta orçamental

Entre as alterações de alteração ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) apresentadas pelos partidos estão a redução do IVA da eletricidade e nas atividades tauromáquicas, o fim dos ‘vistos gold’ em Lisboa e no Porto, cortes nos escalões mais baixos do IRS e aumentos nas pensões mais baixas.

OE2020: CDS-PP pede alívio fiscal para empresas e famílias subscrito pelo novo líder

A líder parlamentar do CDS-PP, Cecília Meireles, garante que as 40 propostas de alteração ao OE2020 que o partido apresentou esta segunda-feira são subscritas pelo novo líder democrata-cristão, Francisco Rodrigues dos Santos, e há “concordância” entre a bancada parlamentar e a nova direção.

OE2020: PAN quer acabar com isenções do ISP para navegação aérea e marítima

A medida consta na lista de mais de 200 proposta de alteração do PAN ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), que passam também pela criação de novas taxas ambientais e que permitiria, segundo o partido, financiar uma redução do IRS.
Comentários