Rui Rio rejeita governo de bloco central com PS

Depois de António Costa dizer que o bloco central é um “mito urbano”, o líder do PSD rejeita a possibilidade de um executivo formado pelos dois maiores partidos nacionais.

JOSE COELHO/LUSA

O líder do PSD rejeitou hoje a possibilidade de vir a formar no futuro um governo de bloco central com o PS.

“Se o conceito de bloco central for um Governo integrado por elementos do PSD e do PS, com um primeiro-ministro de um ou do outro, se considerarem que isso é o bloco central, aí não vejo qualquer necessidade em estar a fazer uma coisa destas”, disse Rui Rio esta quinta-feira durante uma visita ao Algarve em declarações transmitidas pela SIC Notícias.

“Ate porque não era preciso. O primeiro-ministro já disse que o Orçamento do Estado de 2021 vai ser preparado com o  PCP e o Bloco de Esquerda”, destacou o social-democrata, referindo-se às declarações no último debate quinzenal realizado na semana passada.

Em entrevista à Visão, hoje publicada, o primeiro-ministro disse que “procurar o Bloco Central é como caçar gambozinos”: um “mito urbano”.

O líder do PSD apontou que a sintonia com o PS no Parlamento em alguns temas é apenas esporádico, como quando o PSD se absteve na votação do Orçamento suplementar, ou quando o PS se absteve na proposta social-democrata para os sócios-gerentes.

Relacionadas

Rui Rio exige medidas para apoiar o setor do turismo no Algarve

O presidente do PSD aproveitou a ocasião para anunciar que o partido vai apresentar um projeto de retoma da economia, contemplando já os fundos europeus

OE2021: Rui Rio admite negociar com um Chega “mais moderado”

O social-democrata admite ponderar negociar com o partido de extrema-direita mas apenas se este mudar o seu rumo político. “Se continuar como tem ido, então aqui temos um problema porque não é possível um entendimento com o PSD”, sublinhou.

Deixar falir a TAP? “Poderia deixar”, admite Rui Rio

O presidente do PSD defende que a TAP está “tecnicamente falida” e que por isso é de extrema importância pedir ao Governo um plano de negócios “que ainda não apareceu”.
rui_rio_psd

Rui Rio defende que venda de imóveis feita pelo Novo Banco “teve contornos criminosos”

Líder social-democrata entende as operações de venda de ativos do Novo Banco podem constituir matéria criminal e voltou a pedir ao Ministério Público que investigue o caso até às últimas consequências.
Recomendadas

UGT desiludida com chumbo que compromete medidas positivas para trabalhadores

O sindicalista considerou que a proposta de OE2022 “não era o OE desejável, era pouco ambicioso, mas continha alguns avanços importantes”, como o crescimento do salário mínimo até 2025 , o aumento das pensões, a melhoria da fiscalidade e algumas alterações à legislação laboral, nomeadamente a reposição do valor das horas extraordinárias e o aumento do valor das indemnizações por despedimento.

CGTP diz que chumbo do OE2022 deve-se a falta de vontade política do Governo

Para a CGTP a proposta do Governo não promovia o necessário crescimento dos salários e pensões, nem maior justiça fiscal, não acabava com a precariedade laboral, nem travava a destruição de postos de trabalho por grandes grupos empresariais, nem sequer promovia contratação coletiva.

Duodécimos limitam execução mensal até à entrada em vigor de novo orçamento

“Durante o período transitório em que se mantiver a prorrogação de vigência da lei do Orçamento do Estado respeitante ao ano anterior, a execução mensal dos programas em curso não pode exceder o duodécimo da despesa total da missão de base orgânica”, pode ler-se na lei de Enquadramento Orçamental atualmente em vigor.
Comentários