Rússia anuncia início de retirada de tropas da fronteira com a Ucrânia

Moscovo intensificou os exercícios no Mar Negro e na Crimeia nos últimos dias, contribuindo para o aumento da tensão com o Ocidente. Biden ameaçou que não ficaria parado e Putin parece ter-se decidido pelo desanuviamento.

Moscovo decidiu retirar as tropas que tinha acumulado nas últimas semanas junto da fronteira com a Ucrânia, dando um passo decisivo para o desanuviamento de uma situação que tinha todos os ingredientes para se tornar explosiva. A tensão começou quando um alto representante da NATO visitou a Ucrânia, esteve em várias instalações militares e manteve encontros com o presidente, Volodymyr Zelensky. No final do encontro, a NATO disse que se mantinha ao lado da Ucrânia e que apoiaria o país nos esforços de modernização que lhe permitirão aproximar-se do ocidente e da União Europeia (que é o ‘ocidente’ mais próximo).

Ato contínuo, Moscovo aumentou a pressão militar sobre as fronteiras, o que levou Washington a queixar-se da militarização da região e a decidir enviar dois vasos de guerra para o Mar Negro, que banha a Rússia e a Ucrânia. A decisão foi conhecida porque o governo turco, que desde 1936 tem o controlo mundial da estreita passagem entre os mares Negro e Mediterrâneo, disse que lhe fora anunciada a passagem dos navios de guerra – como é obrigatório pelas leis internacionais.

De qualquer modo, Moscovo parece ter voltado atrás, o que levou Volodymyr Zelensky a saudar a decisão. “A redução de tropas nas nossas fronteiras leva a uma redução proporcional da tensão”, argumentou no Twitter. “A Ucrânia permanece vigilante, mas acolhe com agrado quaisquer medidas destinadas a reduzir a presença militar”.

Moscovo explicou em comunicado oficial que “as tropas demonstraram a sua capacidade de manter a defesa confiável do país. Decidi, portanto, concluir as atividades de inspeção nos distritos militares do sul e do ocidente”, disse o ministro russo da Defesa russo, Sergei Choigou. Considerando os objetivos das manobras em grande escala “plenamente alcançados”, o ministro ordenou “o regresso das tropas aos seus pontos de implantação permanentes” a partir desta sexta-feira.

Sergei Choigou falava precisamente na Crimeia, uma península anexada pela Rússia em 2014, onde estava para assistir aos exercícios militares. Segundo revelou, as manobras mobilizaram “mais de 10 mil soldados” e “mais de 1.200 equipamentos” , incluindo mais de “40 navios de guerra e 20 barcos de apoio”.

A Rússia intensificou os exercícios no Mar Negro e na Crimeia nos últimos dias, depois de anunciar que restringiria a navegação de navios militares estrangeiros a três áreas ao largo da Crimeia durante seis meses. A medida foi denunciada como uma “escalada” por Washington e considerada “altamente preocupante” pela União Europeia. A NATO também exigiu que Moscovo garantisse “livre acesso livre” aos portos ucranianos do Mar Negro.

Ler mais
Recomendadas

União Europeia exige cessar-fogo imediato entre Israel e Palestina, Hungria abstém-se

O chefe da diplomacia da UE apontou que o único país a abster-se de firmar esta tomada de posição foi a Hungria”, sendo que “não é uma novidade” que o tenha feito.

Moçambique. EUA esperam “conclusão satisfatória” do conflito em breve

“Estamos comprometidos com o Governo [moçambicano] a fazer todos os possíveis para proteger civis, prevenir futuros ataques e aliviar o sofrimento. (…) Esperamos que sejamos capazes de enfrentar e chegar a uma conclusão satisfatória muito em breve”, afirmou Linda Thomas-Greenfield.

Santos Silva partilha “graves preocupações” com Turquia

O chefe da diplomacia portuguesa reconheceu que tal “é muito preocupante, porque a Turquia é um pais candidato à integração europeia, além de ser um grande vizinho da Europa e um parceiro muito importante em varias áreas de segurança, natureza geoestratégica e outras”.
Comentários