Rússia: ‘Titanic nuclear’ começou viagem de seis mil quilómetros

A central flutuante ganhou o nome de ‘Titanic nuclear’ ou de ‘Chernobyl sobre o gelo’ pelos ambientalistas.

DR Nicolai Gontar / Greenpeace / Reuters

Já tinham considerado a central nuclear flutuante russa como o ‘Titanic nuclear’ ou ‘Chernobyl sobre o gelo’, mas isso não demoveu o Governo russo de avançar com o projeto. A central Akademik Lomonosov iniciou hoje, 23 de agosto, a sua viagem de 6.500 quilómetros para Pevek, no nordeste da Rússia, noticia a ‘Bloomberg’.

O pressuposto deste projeto é que os dois reatores presentes na central abasteçam a região de Pevek com energia elétrica. No entanto, apesar de ter iniciado viagem esta sexta-feira, a transferência da central levantou preocupações devido ao recente acidente militar que aumentou a radiação.

A Greenpeace já apelidou a plataforma de “Titanic nuclear” ou de “Chernobil sobre o gelo”, devido às questões ambientais que este tipo de central levanta.

Ao todo, um conjunto de três rebocadores estão a realizar a transferência da central para que esta possa gerar energia numa região remota, rica em minério, mais próxima do Alasca do que da Europa.

A central foi construída pela empresa russa Rosatom, que tem como objetivo vender centrais nucleares flutuantes a outros países, no futuro. A companhia afirmou que está em conversações para construir uma central semelhante para o Sudão. Devido às críticas de um possível desastre, a empresa garante que “a energia nuclear é a única fonte de energia de baixo carbono disponível na região do Ártico”, sendo que “nem a energia solar, nem o vento podem garantir o fornecimento ininterrupto de eletricidade na noite polar”.

A central Akademik Lomonosov está equipada com dois reatores, sendo que cada um tem capacidade para 35 megawatts. Este valor consegue gerar eletricidade suficiente para alimentar uma cidade de 100 mil habitantes. A central flutuante deverá substituir a central de pequena escala de Chaun-Bilibino.

 

Central nuclear flutuante russa prepara-se para navegar mais de 6 mil quilómetros

Ler mais
Relacionadas

Central nuclear flutuante russa prepara-se para navegar mais de 6 mil quilómetros

A nova central é apelidada de ‘Titanic nuclear’ ou de ‘Chernobyl sobre o gelo’ pelos ambientalistas. A Rússia quer vender a outros países as centrais nucleares flutuantes.
Recomendadas

PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Trabalhadores da General Motors em greve a partir de segunda-feira

O sindicato United Auto Workers (UAW), o maior do setor automóvel, marcou hoje uma greve que abrange os cerca de 48 mil trabalhadores do gigante norte-americano General Motors (GM) na primeira paralisação em 12 anos.
Comentários