Rússia: ‘Titanic nuclear’ começou viagem de seis mil quilómetros

A central flutuante ganhou o nome de ‘Titanic nuclear’ ou de ‘Chernobyl sobre o gelo’ pelos ambientalistas.

DR Nicolai Gontar / Greenpeace / Reuters

Já tinham considerado a central nuclear flutuante russa como o ‘Titanic nuclear’ ou ‘Chernobyl sobre o gelo’, mas isso não demoveu o Governo russo de avançar com o projeto. A central Akademik Lomonosov iniciou hoje, 23 de agosto, a sua viagem de 6.500 quilómetros para Pevek, no nordeste da Rússia, noticia a ‘Bloomberg’.

O pressuposto deste projeto é que os dois reatores presentes na central abasteçam a região de Pevek com energia elétrica. No entanto, apesar de ter iniciado viagem esta sexta-feira, a transferência da central levantou preocupações devido ao recente acidente militar que aumentou a radiação.

A Greenpeace já apelidou a plataforma de “Titanic nuclear” ou de “Chernobil sobre o gelo”, devido às questões ambientais que este tipo de central levanta.

Ao todo, um conjunto de três rebocadores estão a realizar a transferência da central para que esta possa gerar energia numa região remota, rica em minério, mais próxima do Alasca do que da Europa.

A central foi construída pela empresa russa Rosatom, que tem como objetivo vender centrais nucleares flutuantes a outros países, no futuro. A companhia afirmou que está em conversações para construir uma central semelhante para o Sudão. Devido às críticas de um possível desastre, a empresa garante que “a energia nuclear é a única fonte de energia de baixo carbono disponível na região do Ártico”, sendo que “nem a energia solar, nem o vento podem garantir o fornecimento ininterrupto de eletricidade na noite polar”.

A central Akademik Lomonosov está equipada com dois reatores, sendo que cada um tem capacidade para 35 megawatts. Este valor consegue gerar eletricidade suficiente para alimentar uma cidade de 100 mil habitantes. A central flutuante deverá substituir a central de pequena escala de Chaun-Bilibino.

 

Central nuclear flutuante russa prepara-se para navegar mais de 6 mil quilómetros

Ler mais
Relacionadas

Central nuclear flutuante russa prepara-se para navegar mais de 6 mil quilómetros

A nova central é apelidada de ‘Titanic nuclear’ ou de ‘Chernobyl sobre o gelo’ pelos ambientalistas. A Rússia quer vender a outros países as centrais nucleares flutuantes.
Recomendadas

Sonae diz-se preocupada com o ‘Luanda Leaks’

O grupo cruza interesses com Isabel dos Santos na NOS e por pouco não aumentou a exposição às parcerias com a empresária angolana através da ida dos hipermercados para aquele país africano.

Grupo Vila Galé confirma desistência do projeto de Una na Bahia

“Nunca houve ali indígenas, nunca ali houve uma reserva indígena, não há, nem vai haver, como vão ver daqui a pouco tempo, quando surgir a decisão final”, garantiu Jorge Rebelo de Almeida reagindo às notícias de que o projeto iria inviabilizar uma reserva de indígenas brasileiros.

Vila Galé vai investir 45 milhões e abrir mais três hotéis em 2020

Com a abertura destas três unidades hoteleiras e a ampliação do Vila Galé Douro Vineyards, o grupo irá aumentar a sua oferta em 318 quartos – atualmente gere mais de 7.500 quartos – elevando de 34 para para 37 hotéis em Portugal (27) e no Brasil (dez).
Comentários