Salário mínimo: Contratos de aquisição de serviços já podem pedir atualização

A partir de amanhã, as empresas com contratos de aquisição de serviços com o Estado têm 30 dias para pedirem para ser ressarcidas dos custos que tiveram com a atualização do salário mínimo.

A portaria relativa ao regime de “atualização extraordinária do preço dos contratos de aquisição de serviços” foi publicada hoje em Diário da República e entra em vigor amanhã, com efeitos retroativos a janeiro, quando o salário mínimo passou de 530 euros para 557 euros.

Esta revisão está prevista no acordo de concertação social e tem vindo a ser reivindicada pelas confederações patronais. Em causa estão, por exemplo, empresas de limpeza ou vigilância contratadas por organismos públicos.

“A atualização do preço dos contratos em função do aumento da RMMG [salário mínimo] ocorrerá quando o cocontratante prestador de serviços evidenciar junto da entidade adjudicante pública (…) que o preço contratual sofreu impactos substanciais decorrentes da entrada em vigor” do aumento do salário mínimo, lê-se no diploma.

A portaria abrange os contratos de aquisição de serviços com duração plurianual, celebrados antes de 1 de janeiro de 2017 ou que tenham tido origem em procedimentos concursais cujas propostas tenham sido apresentadas em data anterior.

Para terem direito a receberem a verba, tem de estar comprovado que a componente de mão-de -obra indexada ao salário mínimo foi fator determinante na formação do preço contratual.

Segundo a portaria, o prestador de serviços pode a partir de amanhã, no prazo de 30 dias, “requerer junto da entidade adjudicante o reconhecimento de que o preço contratual sofreu impactos substanciais decorrentes da entrada em vigor” do aumento do salário mínimo.

O organismo público tem depois 15 dias para apreciar o pedido, remetendo-o aos membros do Governo das áreas setoriais e ao ministro das Finanças, que terão de dar autorização em 30 dias.

Recomendadas

Fundos ESG ainda têm muito espaço para crescer em Portugal

No ano passado, a maioria das subscrições de fundos ESG foram feitas por pessoas singulares (99,2%), segundo os dados da CMVM, que mostram que as subscrições líquidas se revelaram nos quatro últimos anos, apesar de 2020 ter apresentado uma diminuição de 75% face a 2019.

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.
Comentários