Salário mínimo vai aumentar para 12 euros por hora na Alemanha. Em Portugal ganha-se 4,16 euros

Um valor que mais do que triplica o valor auferido por hora em Portugal. Atualmente os portugueses que recebem mensalmente o ordenado mínimo ganham 4,16 euros por hora.

Clemens Bilan/EPA via Lusa

Dois milhões de trabalhadores alemães vão receber um aumento do salário mínimo de 25%. De acordo com a notícia avançada pela “CNN”, esta quinta-feira, este acordo chegou através da coligação do novo governo, que conta com três partidos políticos.

Assim, a coligação propôs um aumento do salário mínimo para 12 euros à hora, um aumento dos atuais 9,60 euros horários, fazendo desta uma das primeiras medidas propostas pelo executivo liderado por Olaf Scholz.

De acordo o economista da ING, Carsten Brzeski, este aumento salarial vai englobar cerca de 5% dos trabalhadores da Alemanha e é “claramente significativo”.

As perspetivas já davam conta de um aumento para julho de 2022 de 10,45 euros. A coligação que assumiu agora governo escolheu não avançar data em que este aumento vai acontecer.

E em Portugal?

Em Portugal, o salário mínimo está atualmente fixado em 665 euros mensais, um valor ao qual decresce um desconto de 11% da Segurança Social, dado que os salários mais baixos não descontam para o IRS. Nas contas do Jornal Económico, o valor ganho por hora não apresenta o desconto efetuado diretamente para a Segurança Social.

Atualmente os portugueses que recebem mensalmente o ordenado mínimo ganham 4,16 euros por hora e com a proposta do Governo para fazer crescer o salário mínimo para 705 euros mensais, o valor por hora sobe para os 4,40 euros.

Na semana passada, o Governo confirmou a proposta de atualização do salário mínimo nacional para 705 euros em 2022, de acordo com a documentação distribuída aos parceiros sociais em reunião da Comissão Permanente de Concertação Social.

Com a subida, refere o documento, a retribuição mínima mensal garantida terá no próximo ano, e desde 2015, conhecido um crescimento de 39,6%, ou de 200 euros.

Relacionadas

Governo preparado para “ajudar empresas” a absorverem “parte dos encargos” da subida do salário mínimo

Siza Vieira admitiu que Governo está disponível para “ajudar as empresas a absorverem uma parte dos encargos”, explicando que, uma vez que não se chegou a consenso, os patrões, os sindicatos e o Governo vão voltar a reunir-se na próxima semana.

Governo quer subida do salário mínimo para os 705 euros em 2022

O  Governo apresentou hoje aos parceiros sociais uma proposta de aumento do salário mínimo nacional de 40 euros, para 705 euros, no próximo ano, segundo um documento distribuído na Concertação Social.

Alemanha. SPD apresenta esta tarde o novo governo

Mais cedo que o previsto: o novo elenco devia estar pronto apenas em dezembro. A antecipação só pode querer dizer que as negociações foram mais fáceis que o previsto. Como é costume na Alemanha, não há surpresas na atribuição das pastas.
Recomendadas

SEDES propõe mais deputados eleitos pelas comunidades para melhorar relação com Portugal

O aumento do número de deputados eleitos pelos emigrantes e a adoção do voto eletrónico são algumas propostas apresentadas hoje pela SEDES para melhorar a relação entre Portugal e as suas comunidades no mundo. No seu V congresso, que decorre desde sexta-feira e até domingo em Carcavelos, concelho de Cascais, a SEDES – Associação para […]

PremiumEconomista Sérgio Rebelo diz que “é importante evitar os cortes súbitos de despesa e subidas de impostos”

O economista português, professor nos EUA, alerta que instabilidade política pode “facilmente” criar instabilidade económica com impacto para o refinanciamento da dívida portuguesa e diz que o país tem pouco espaço fiscal.

Imobiliário: tecnologia “abre a porta” a investimentos nacionais e estrangeiros

A tecnologia está a transformar de forma profunda a gestão das transações e o fecho das operações deste sector, numa tendência que já se verificava e que se intensificou com a pandemia e o incremento das soluções tecnológicas, exemplifica Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal.
Comentários