Salvar bancos já custou mais 14 mil milhões de euros aos contribuintes

O montante diz respeito ao período entre 2008 e 2016.

Leonhard Foeger/Reuters

Os contribuintes portugueses tiveram encargos de 14,6 mil milhões de euros como salvamento e a ajuda à banca entre 2008 e 2016, de acordo com a informação que consta no parecer do Tribunal de Contas à Conta Geral do Estado 2016, divulgado na passada segunda-feira.

O custo líquido imputado aos contribuintes corresponde a 8% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo nota a DN. “O peso dos encargos diretos variou de ano para ano entre um mínimo de 0,1% das necessidades de financiamento da Conta Geral do Estado em 2011 e um máximo de 6,3% em 2012”, explica o tribunal.

O parecer em causa deu ainda conta de que através do Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES) foi extinta dívida no montante de 599 milhões de euros, dos quais 444 milhões de euros (74,1%) por cobrança de receita do Estado e 155 milhões de euros (25,9%) por anulação.

“Só dez contribuintes pagaram 199 milhões de euros (44,8% da receita obtida) e beneficiaram da anulação de 78 milhões de euros (50,5% da perda de receita)”, referem os juízes.

Foi no IRC que foi cobrado o maior montante de receita fiscal (291 milhões de euros), seguido do IVA (87 milhões de euros), do IRS (52 milhões de euros), sendo que foram cobrados 14 milhões de euros em ‘outra receita do Estado’.

No mesmo documento, conclui-se que “o esforço financeiro resultante das intervenções públicas, destinadas a apoiar o sistema financeiro nacional no seguimento da crise financeira internacional, iniciada em 2007, constituiu um encargo elevado para o erário público num contexto de finanças públicas deficitárias”.

Com Lusa

Ler mais

Relacionadas

Patrões querem estar na plataforma do crédito malparado

António Saraiva volta a defender uma de IRC mais baixa e quer que se invista na qualificação de recursos, mas sem se desviarem verbas.

Défice vai ficar abaixo de 1,3%, anuncia António Costa

Valor revê em baixa estimativas anteriores e foi anunciado hoje pelo primeiro-ministro na cerimónia onde o Governo apresentou cumprimentos de boas festas ao Presidente da República.
Recomendadas

ISEG estima que economia portuguesa cresça até 4,5% em 2021

Os economistas desta facultade de economia anteveem, numa primeira análise, que o crescimento homólogo do PIB português no segundo trimestre se deverá situar entre os 10% a 15%.

Falta de mão de obra limitou crescimento do emprego nos Estados Unidos em abril

As empresas do sector não agrícola contrataram só 266 mil empregados, depois dos 770 mil verificados no mês de março. A taxa de desemprego subiu para os 6,1% em abril, mais 0,1 pontos percentuais do que o registado no mês anterior.

Governo garante que vai recorrer para tribunal para manter migrantes no Zmar (com áudio)

O ministro da Administração Interna disse hoje que o Governo não foi ainda notificado de nenhuma decisão do tribunal. Se for, os advogados governamentais já têm ordens para contestar a providência cautelar e manter os trabalhadores migrantes no complexo que tem uma licença de parque de campismo.
Comentários