Santander com quebra de 14% dos lucros devido ao Popular e ao Reino Unido

Em Portugal, o resultado que contribui para o consolidado do grupo aumentou 14%, para 260 milhões de euros, enquanto os custos continuaram a diminuir, segundo o relatório e contas do primeiro semestre do banco espanhol.

O Banco Santander lucrou menos 13,9% no primeiro semestre devido aos custos de reestruturação decorrentes da integração do Banco Popular e à queda do seu negócio no Reino Unido. No segundo trimestre a queda dos resultados foi de 18% para 1.391 milhões.

O lucro semestral do banco foi de 3.231 milhões de euros, depois de ter constituído dotações de 814 milhões para custos de reestruturação em Espanha e no Reino Unido. O banco quer cortar em 1.000 milhões por ano a sua base de custos.

Apesar da queda dos lucros as ações do banco estão a subir a refletir que os números superam o que era esperado pelos analistas.

A margem financeira bruta do grupo cifrou-se em 24.436 milhões e a líquida em 12.894 milhões de euros, acima do esperado.

O rácio de eficiência que mede o peso dos custos sobre os proveitos ficou em 47,4%. O malparado caiu para um rácio de 3,51%.

Destaque ainda para o facto de o rácio de capital CET1 ter subido, no segundo trimestre, 7 pontos base para 11,3%.

O grupo assegura que se “mantém como um dos bancos mais rentáveis e eficientes do mundo”, com uma taxa de retorno do capital tangível (RoTE) ordinário de 11,7%.

Em Portugal, o resultado que contribui para o consolidado do grupo aumentou 14%, para 260 milhões de euros, enquanto os custos continuaram a diminuir, segundo o relatório e contas do primeiro semestre do banco espanhol.

O Brasil continua a ser o principal motor de crescimento do grupo espanhol, ao contribuir com 28% do resultado líquido. O mercado doméstico do Santander contribui com 13% para os lucros consolidados.

Já a divisão do Santander Consumer Finance teve lucros de 658 milhões, o que traduz uma queda de 1,4%.

Os acionistas do banco aprovaram esta manhã um aumento de capital de 2,56 mil milhões para recomprar os 25% que não detém na filial do México.

Ler mais
Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.

Miguel Maya: Financiamento do Fundo de Resolução tem de ser analisado com cuidado e rigor

Miguel Maya transmitiu esta posição à margem da V Cimeira do Turismo Português, que está hoje a decorrer em Lisboa, depois de ter sido questionado sobre a possibilidade de virem a ser encontradas fontes de financiamento alternativas ao Fundo de resolução sem ser através de empréstimos públicos.
Comentários