Santander compra ativos tecnológicos da Wirecard por 100 milhões

O Santander anunciou que chegou a acordo com o administrador de insolvência da Wirecard para comprar os ativos tecnológicos que iram servir para reforçar a atividade da Getnet, a plataforma global de pagamentos para comerciantes.

O Banco Santander, em comunicado publicado no seu site, anunciou esta terça-feira que acordou a compra de ativos de tecnologia da Wirecard, acelerando a expansão do seu negócio de serviços de pagamento para comerciantes, o Getnet.

O banco espanhol fortalecerá a sua plataforma global de pagamentos para comerciantes e também aproveitará as vantagens desses novos ativos tecnológicos para seus planos de crescimento na Europa, lê-se na nota.

O Banco Santander informou que acordou com o administrador de insolvência de várias entidades Wirecard, Michael Jaffé e com a Wirecard Bank AG, para adquirir vários ativos tecnológicos altamente especializados do negócio de pagamentos para o comércio da Wirecard na Europa para reforçar e acelerar os seus planos de crescimento para o região.

O valor do negócio é apenas avançado pelo “Financial Times”, e segundo este jornal, ronda os 100 milhões. O comunicado nada avança sobre o valor da compra.

O banco espanhol prevê que os cerca de 500 trabalhadores que atualmente estão a gerir estes ativos da germânica Wirecard integrem os quadros do banco. “Cerca de 500 funcionários que atualmente administram os ativos adquiridos, em equipes altamente qualificadas, ingressarão o Santander. Permanecerão nos seus locais e farão parte da equipe global de serviços comerciais do Santander sob a égide da marca global Getnet”, diz o comunicado.

A aquisição irá acelerar a expansão da Getnet na Europa, aprimorando as suas capacidades ao nível do comércio eletrónico e do grande comercio internacional, bem como outros serviços de pagamento.

“Os ativos que o Santander adquiriu ampliam sua arquitetura global de plataforma de pagamentos aberta e criam sinergias no comércio e nos pagamentos. O Santander está a levar a sua plataforma de serviço de pagamentos para comerciantes a outros países, como já fez na América Latina. Os ativos adquiridos incluem soluções de pagamento para estabelecimentos comerciais por serviços de aquisição e emissão.

Entretanto, no Brasil foi hoje notícia que o Santander Brasil está a avaliar a cisão parcial da Getnet, com potencial listagem em bolsa. A concretizar-se os acionistas do Santander Brasil tornar-se-iam acionistas diretos da Getnet.

Sobre a aquisição dos ativos tecnológicos da alemã Wirecard, Ana Botín, presidente executiva do Banco Santander, disse que o objetivo “é oferecer as melhores soluções e serviços de pagamento aos nossos clientes. Os ativos e talentos que ganharemos como parte da aquisição nos ajudarão a acelerar os planos de expansão da Getnet na Europa, ao mesmo tempo em que aumentamos nossa capacidade de desenvolvimento de produtos”.

A aquisição não inclui as empresas Wirecard e o Santander não assumirá qualquer responsabilidade legal em relação à Wirecard AG e Wirecard Bank AG ou em relação às suas ações anteriores. O negócio deve ser concluído até o final do ano e está sujeito a certas condições, incluindo aprovações regulatórias.

 

Ler mais
Recomendadas

Banco de Fomento lança duas novas linhas de apoio à economia no valor de 1.100 milhões de euros

Banco Português de Fomento abre esta segunda-feira as candidaturas para as novas linhas de crédito. A linha de apoio para as empresas exportadoras da indústria e do turismo tem uma dotação global de 1.050 milhões de euros, enquanto a linha de apoio às empresas de montagem de eventos tem uma dotação de 50 milhões de euros.

“É quase inevitável que o crédito malparado comece a aumentar novamente”, diz Dombrovskis

Vice-presidente da Comissão Europeia realça que o malparado diminuiu na banca portuguesa nos últimos anos. No entanto, admite que a crise provocada pela pandemia se irá traduzir num aumento quase “inevitável” do crédito malparado, destacando por isso o Plano de Ação de Bruxelas para combater os créditos improdutivos.

Lesados do Banif e das sucursais exteriores do BES acusam Governo de violar “o princípio constitucional da igualdade”

A ALEV (Associação de Lesados Emigrantes da Venezuela e África do Sul) e a ABESD – Associaçao de Defesa dos Clientes Bancários vêm falar em “potencial violação do princípio constitucional da igualdade” em reação à notícia de que Governo pode não dar garantia a lesados das sucursais exteriores do BES e aos lesados do Banif.
Comentários