São Tomé e Príncipe: Última fronteira da Covid-19 na lusofonia

Os guias turísticos dizem que é um país de visita obrigatória e os boletins de saúde concordam: é o único da CPLP e um dos raros do mundo onde não há registo da pandemia. O petróleo continua a ser a promessa de uma solução para os problemas. Enquanto não chega, há quem venda outra felicidade: as igrejas evangélicas surgem por todo o lado.

Dos nove países que compõem a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) – todos falando a dita língua menos a Guiné Equatorial – apenas São Tomé e Príncipe se mantém irredutivelmente sem registar qualquer caso de Covid-19, apesar do susto em que vive uma parte substancial da comunidade portuguesa ali radicada. Apesar disso, e segundo relatos dali oriundos, há portugueses que querem regressar, numa altura em que uma série de serviços estão já em regime de contenção e, por isso mesmo, fechados.

O problema é que as viagens de avião deixaram de cumprir a regularidade que mantinham até aqui: com viagens diretas para Portugal, havia dois voos semanais da TAP (ida e volta cerca de três horas depois da chegada) e um da STP Airways – que opera com aviões da EuroAtlantic, uma vez que neste momento a companhia de bandeira são-tomense está proibida de voar para a Europa com os seus aparelhos.

O país, que apesar de tudo não faz parte das listas dos mais pobres de África, parece estar à espera da exploração de petróleo como a fonte de encontrar uma solução para todos os seus problemas. No final do passado mês de fevereiro, o governo são-tomense voltou a visitar a Guiné Equatorial – este sim, fazendo parte das listas, ou pelo menos de algumas dessas listas, dos mais pobres do continente – na tentativa de reforçar os laços que poderão levar ao desenvolvimento das prospeções e da extração.

Jorge Bom Jesus, o primeiro-ministro – e líder do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe-Partido Social Democrata (MLSTP-PSD), que sofreu várias mutações ao longo de seis décadas de existência, ali regressou, na companhia dos ministros das Finanças, Osvaldo Vaz, e dos Recursos Naturais, Osvaldo Abreu.

A ideia é – ou era, antes da pandemia de Covid-19 – avançar com a exploração de petróleo na fronteira marítima comum: Osvaldo Abreu e o seu homólogo Gabriel Mbaga Obiang Lima, da Guiné Equatorial, decidiram avançar em outubro com perfurações nos dois blocos identificados na fronteira. Paralelamente, os dois países querem constituir uma Zona Especial de Exploração Conjunta e assinar um protocolo no domínio da segurança marítima – com nova reunião sobre a matéria em junho.

Mas tudo isso foi antes da pandemia ter incendiado a economia mundial e o preço do petróleo ter descido para valores que ainda ninguém tinha visto neste milénio – a última vez que o barril esteve cotado nas proximidades dos 20 dólares foi em 1970-73, antes do embargo decretado pela OPEP. Os valores atuais são de modo a desaconselhar quaisquer aventuras das grandes petrolíferas no Golfo da Guiné – e obrigatoriamente alguma delas terá que ser ‘convidada’ a ajudar a dupla de países – mesmo que os analistas antecipem uma rápida subida dos preços assim que os motores das maiores economias mundiais forem retirados do ralenti em que estão neste momento.

Tomar posição entre os ricos
Mesmo assim, alguns países vão andando por ali. Há pouco menos de dois anos, o governo são-tomense assinou com um consórcio constituído pela britânica BP e a norte-americana Kosmos Energy contratos de partilha de exploração petrolífera dos blocos 10 e 13 da Zona Económica Exclusiva (ZEE) do arquipélago. Na altura, o Estado são-tomense deteria 15% do consórcio – nas mãos da Agência Nacional de Petróleos (ANP), que definiu 28 anos como período de vigência do contrato, com os primeiros oito a serem de pesquisa.

Mas a agência tem diversificado e o número de grupos internacionais que de algum modo estão ligados aos interesses petrolíferos não para de crescer: Environment Remediation Holding Corporation (ERHC, norte-americana que transferiu os direitos para a Kosmos Energy), Equator Exploration, New World Oil and Gas, London Global Energy Blue Skies World e, evidentemente, a Petrogal, fazem parte do grupo de empresas que, desde 2010, andam por ali.

Quem não andava, e agora anda, é a Turquia. Membros da comunidade portuguesa disseram ao JE que a influência do país de Erdogan tem vindo a crescer, de forma lenta mas consolidada. Os interesses da Turquia estão concentrados na Fundação Maarif, que em 2017 entrou no sistema de ensino de São Tomé e Príncipe. Possivelmente, não haverá muitos são-tomenses interessados em aprender turco, mas a verdade é que algumas comunidades ‘improváveis’ estão presentes naquele país africano. Uma delas é a libanesa: famílias principalmente ligadas ao comércio, que mantêm um fluxo constante com o seu país de origem e que, diz a comunidade portuguesa, está bem entrosada com a população.

Tomar posição entre os pobres
Uma viagem pela ilha de São Tomé permite compreender que o povo, cerca de 210 mil pessoas (e um desemprego rondando os 12%) vive à margem de todas estas peripécias. A população que se espalha de forma mais ou menos homogénea nos menos de 1.000 km2 de São Tomé tem por estes dias que se haver com aquilo que já está identificado como uma dor de cabeça para o futuro: as igrejas ditas evangélicas.

Numa geografia onde a presença da igreja católica está reduzida a algumas edificações dos tempos do colonialismo, estas igrejas – onde avulta a Universal do Reino de Deus ou as testemunhas de Jeová, entre muitas outras, algumas com nomes mais bizarros – acotovelam-se entre si no meio do casario de madeira da população. Há lugares que não terão mais de cinco mil habitantes onde se podem encontrar em feliz concorrência quatro ou cinco igrejas diferentes, mas todas tendo aparentemente muito para oferecer aos pobres dos são-tomenses.

Para a comunidade portuguesa, estes vendedores de milagres à la carte estão a alterar a própria sociologia do lugar. Um problema que acabará por cair no colo do poder político – como aconteceu em setembro de 2019, quando um pastor são-tomense da IURD foi preso na Costa do Marfim, acusado de ser o autor de mensagens que denunciariam supostos abusos da igreja contra funcionários africanos. A notícia da sua prisão levou a vários protestos em São Tomé e Príncipe, que culminaram, entre vários incidentes, na morte de um jovem de 13 anos.

Artigo publicado no Jornal Económico de 03-04-2020. Para ler a edição completa, aceda aqui ao JE Leitor

Ler mais
Recomendadas

África regista 132 mortos nas últimas 24 horas e totaliza 3.922 óbitos

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), nos 54 países analisados foi registada a recuperação de 56.416 doentes, mais 3.002 que no dia anterior.

Oeiras e AKDN enviam equipamento médico a Cabo Verde

A iniciativa solidária para os PALOP e representa um investimento superior a 700 mil euros.

Operadoras cabo-verdianas proibidas de alterar e criar novos tarifários

O setor das telecomunicações “tem condicionado o desempenho da economia” de Cabo Verde desde o primeiro trimestre de 2016, “na medida que tem contribuído negativamente para o crescimento do PIB”.
Comentários