Saudi Aramco não está otimista em relação à recuperação da produção de petróleo

A Saudi Aramco já acionou a produção em campos inativos de petróleo offshore para substituir parte da produção que foi interrompida, sustentou fonte da Bloomberg. O ataque atingiu cerca de 5% de toda a oferta global e provocou um aumento nos preços do petróleo.

As entidades responsáveis da Saudi Aramco estão cada vez menos otimistas de que existirá uma rápida recuperação na produção de petróleo após o ataque à gigante plataforma de processamento de Abqaiq, garantiu uma fonte oficial à ‘Bloomberg’ esta segunda-feira.

Após o ataque realizado às instalações da petrolífera estatal saudita, os olhos estão colocados na rapidez com que a petrolífera pode recuperar a extração. Ainda assim, sabe-se que o ataque atingiu cerca de 5% de toda a oferta global e provocou um aumento nos preços do petróleo e a maior subida percentual do barril do Brent.

Inicialmente, as entidades disseram que a extração de petróleo iria voltar ao normal dentro de poucos dias, mas agora a imprensa internacional avança que pode demorar mais para retomar as operações na fábrica. A empresa Saudi Aramco deve divulgar esta segunda-feira uma data para que as atividades regressam à normalidade.

As perdas verificadas em Abqaiq, que movimenta cerca de 5,7 milhões de barris de petróleo por dia, são as piores perturbações que se sentiram no mercado petrolífero desde a Guerra do Golfo em 1991. A plataforma de Abqaiq representa cerca de metade da produção de petróleo mundial.

A Saudi Aramco já acionou a produção em campos inativos de petróleo offshore para substituir parte da produção que foi interrompida, sustentou a fonte da Bloomberg. Por enquanto, os clientes da Saudi Aramco estão a ser abastecidos com reservas, embora a empresa esteja a contactar alguns compradores para aceitarem diferentes graus de petróleo.

O barril de Brent, a referência para Portugal, disparou 19,5% para 71,95 dólares por barril, a maior subida intradiária desde 14 de janeiro de 1991, segundo os dados da Reuters. Já o barril de West Texas Intermediate subiu 15,5% para para 63,34 dólares, a maior subida desde 22 de janeiro de 1998, de acordo com a Reuters.

Ler mais
Relacionadas

Subida dos preços de petróleo: “Não vai haver nenhuma tragédia nos preços dos combustíveis em Portugal”

As petrolíferas em Portugal rejeitam aumentos significativos do preço do combustível nas bombas devido à subida do petróleo nos mercados internacionais, em consequência do ataque a instalações petrolíferas na Arábia Saudita. Uma subida de 10% do preço de petróleo nos mercados internacionais esta semana, teria um impacto de 2% nos preços dos combustíveis em Portugal na próxima semana, segundo contas da Apetro.

ENSE pronta para mobilizar reservas de petróleo após corte da produção da Arábia Saudita

A ENSE afirma que “dispõe de reservas estratégicas que podem ser mobilizadas para suprir uma falta eventual” e precisa que tem “à sua disposição 538,1 mil toneladas de crude em reservas físicas e 373,5 mil toneladas em tickets que representam direitos de opção sobre crude armazenado em Portugal e noutros países da União Europeia”.

Petróleo regista a maior subida desde a Guerra do Golfo em 1991 depois de ataques à Arábia Saudita

O preço do barril disparou mais de 19% no mercado, devido à redução da produção por parte do maior exportador mundial de petróleo.
Recomendadas

Banco de Portugal vai sujeitar diretores do risco, compliance e auditoria ao ‘Fit & Proper’

Está em consulta pública até ao final de março um projeto de alteração de Aviso do Banco de Portugal que vai rever os requisitos aplicáveis em matéria de governo interno dos bancos. Entre as principais novidades introduzidas pelo regulador, destaca-se o alargamento do processo de avaliação e adequação diretores do risco, de compliance e de auditoria interna, e um relatório anual de autoavaliação dos bancos sobre o cumprimento das regras de controlo interno.

Coca-Cola Portugal nomeia primeira diretora-geral de nacionalidade portuguesa

Sandra Vera-Cruz junta-se a Rui Serpa que, em 2018, assumiu funções de diretor-geral na Coca-Cola European Partners, como os únicos portugueses com funções de chefia numa das maiores empresas ligadas ao setor das bebidas a nível mundial.

Telefónica aposta mais de três mil milhões na La Liga até 2022

Números assegurados pela Telefónica têm por base o potencial que os conteúdos exclusivos da La Liga Santander e La Liga SmartBank que poderão proporcionar outros ganhos no que respeita à retransmissão dos jogos.
Comentários