Saudi Aramco não está otimista em relação à recuperação da produção de petróleo

A Saudi Aramco já acionou a produção em campos inativos de petróleo offshore para substituir parte da produção que foi interrompida, sustentou fonte da Bloomberg. O ataque atingiu cerca de 5% de toda a oferta global e provocou um aumento nos preços do petróleo.

As entidades responsáveis da Saudi Aramco estão cada vez menos otimistas de que existirá uma rápida recuperação na produção de petróleo após o ataque à gigante plataforma de processamento de Abqaiq, garantiu uma fonte oficial à ‘Bloomberg’ esta segunda-feira.

Após o ataque realizado às instalações da petrolífera estatal saudita, os olhos estão colocados na rapidez com que a petrolífera pode recuperar a extração. Ainda assim, sabe-se que o ataque atingiu cerca de 5% de toda a oferta global e provocou um aumento nos preços do petróleo e a maior subida percentual do barril do Brent.

Inicialmente, as entidades disseram que a extração de petróleo iria voltar ao normal dentro de poucos dias, mas agora a imprensa internacional avança que pode demorar mais para retomar as operações na fábrica. A empresa Saudi Aramco deve divulgar esta segunda-feira uma data para que as atividades regressam à normalidade.

As perdas verificadas em Abqaiq, que movimenta cerca de 5,7 milhões de barris de petróleo por dia, são as piores perturbações que se sentiram no mercado petrolífero desde a Guerra do Golfo em 1991. A plataforma de Abqaiq representa cerca de metade da produção de petróleo mundial.

A Saudi Aramco já acionou a produção em campos inativos de petróleo offshore para substituir parte da produção que foi interrompida, sustentou a fonte da Bloomberg. Por enquanto, os clientes da Saudi Aramco estão a ser abastecidos com reservas, embora a empresa esteja a contactar alguns compradores para aceitarem diferentes graus de petróleo.

O barril de Brent, a referência para Portugal, disparou 19,5% para 71,95 dólares por barril, a maior subida intradiária desde 14 de janeiro de 1991, segundo os dados da Reuters. Já o barril de West Texas Intermediate subiu 15,5% para para 63,34 dólares, a maior subida desde 22 de janeiro de 1998, de acordo com a Reuters.

Ler mais
Relacionadas

Subida dos preços de petróleo: “Não vai haver nenhuma tragédia nos preços dos combustíveis em Portugal”

As petrolíferas em Portugal rejeitam aumentos significativos do preço do combustível nas bombas devido à subida do petróleo nos mercados internacionais, em consequência do ataque a instalações petrolíferas na Arábia Saudita. Uma subida de 10% do preço de petróleo nos mercados internacionais esta semana, teria um impacto de 2% nos preços dos combustíveis em Portugal na próxima semana, segundo contas da Apetro.

ENSE pronta para mobilizar reservas de petróleo após corte da produção da Arábia Saudita

A ENSE afirma que “dispõe de reservas estratégicas que podem ser mobilizadas para suprir uma falta eventual” e precisa que tem “à sua disposição 538,1 mil toneladas de crude em reservas físicas e 373,5 mil toneladas em tickets que representam direitos de opção sobre crude armazenado em Portugal e noutros países da União Europeia”.

Petróleo regista a maior subida desde a Guerra do Golfo em 1991 depois de ataques à Arábia Saudita

O preço do barril disparou mais de 19% no mercado, devido à redução da produção por parte do maior exportador mundial de petróleo.
Recomendadas
pardal henriques

SNMMP junta-se à Fectrans e Antram e assina acordo para contrato coletivo de trabalho dos motoristas

Só falta o Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias apreciar o acordo para o novo contrato coletivo de trabalho dos motoristas de pesados de mercadorias, mas tal só acontecerá no fim de semana, quando a estrutura sindical tiver realizado um plenário para discutir o acordo final.

Governo cria grupo de trabalho para preparar Web Summit até 2028

O ‘Grupo de Trabalho Web Summit Portugal 2019-2028’ vai entrar em vigor já este ano, com o objetivo de “assegurar a organização e a coordenação da Web Summit, em cada ano do período de 2019 a 2028”.

IKEA vai investir em novas lojas em Portugal: margem sul do Tejo, Cascais e Sintra

A multinacional sueca pretende abrir lojas de pequena dimensão em Sintra, Cascais e a sul de Lisboa, assim como centros de encomendas, de planeamento e de levantamento.
Comentários