Secretário da Saúde dos EUA em Taiwan numa visita reprovada por Pequim

O secretário da Saúde norte-americano, Alex Azar, chegou hoje a Taipei, em Taiwan, onde ficará até quarta-feira, uma visita que tem agravado as tensões entre os Estados Unidos e a China.

A República Popular da China condena qualquer contacto oficial com a ilha, que funciona como uma entidade política soberana.

O governante chegou pelas 04:48 (hora local, menos sete em Lisboa) ao aeroporto de Songshan, na capital de Taiwan.

A agenda de Azar não inclui atividades oficiais até segunda-feira, quando se irá reunir com a Presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen.

No mesmo dia, o secretário da Saúde dos EUA vai também visitar o centro de controlo de doenças, acompanhado pelo ministro da Saúde e Bem-Estar de Taiwan, Chen Shih-chung.

Já na quarta-feira, Alex Azar deverá discursar na Universidade de Taipei.

Esta visita representa mais um passo na política atual de Washington de rivalidade em relação à China em praticamente todas as frentes: comércio, competição tecnológica, a pandemia do novo coronavírus, direitos humanos ou a soberania do Mar do Sul da China.

A questão de Taiwan é vista por Pequim como a “mais sensível e importante” no seu relacionamento com os Estados Unidos.

Ler mais
Recomendadas
tik tok

Tik Tok lança guia para combater ‘fake news’ nas presidenciais norte-americanas

A empresa admite que “não é a aplicação ideal para notícias de última hora ou política” mas explica que sabe que “um lar onde os norte-americanos se expressam”. O objetivo é apoiar os utilizadores com informações credíveis sobre questões públicas dos Estados Unidos.

Biden e Trump defrontam-se pela primeira vez. Pandemia, tensão racial e impostos do presidente são os temas quentes

Com o aproximar das eleições presidenciais norte-americana, o primeiro debate realiza-se no meio de uma grande tensão política e social nos EUA, dada a pandemia e os protestos raciais que se seguiram à morte de George Floyd.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.
Comentários