Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais admite dificuldade de avaliar “sucesso ou insucesso” do combate à fraude fiscal

“Não há um indicador que nos possa traduzir aquilo que é o sucesso e insucesso do combate à fraude e evasão fiscal, e eu percebo que o Tribunal de Contas muitas vezes faz essa questão, de que deveria haver um indicador, algo que temos sempre defendido”, explicou António Mendonça Mendes.

Cristina Bernardo

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, sublinhou a dificuldade de se apurar o “sucesso ou insucesso do combate à fraude e evasão fiscal” durante audição com a Comissão de Orçamento e Finanças, esta terça-feira, 8 de setembro.

“Não há um indicador que nos possa traduzir aquilo que é o sucesso e insucesso do combate à fraude e evasão fiscal, e eu percebo que o Tribunal de Contas muitas vezes faz essa questão, de que deveria haver um indicador, algo que temos sempre defendido”, explicou António Mendonça Mendes.

Sobre a entrega do relatório de Combate à Fraude e Evasão Fiscais e Aduaneiras e no âmbito da apreciação na especialidade, de 30 de novembro, António Mendonça Mendes apontou que “foi entregue com o tempo adequado” e frisou que “não se centra exclusivamente naquilo que são ações de controlo e ações de controlo sobre aqueles que não querem cumprir”.

“O combate à fraude e evasão fiscal é essencial e também temos assumido esse pilar como fundamental assim como a indução do cumprimento voluntário”, algo que representa “uma parte muito significativa daquilo que é o relatório”, garantiu António Mendonça Mendes.

O documento “tem essa dimensão do processo de simplificação, dos canais de comunicação entre autoridade tributária e os contribuintes de reforço das obrigações por parte da administração fiscal de informação dos contribuintes para que isso possa por um lado apoiar no cumprimento e por outro lado, simplificar esse mesmo cumprimento voluntário”, garantiu o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

António Mendonça Mendes sublinhou ainda que “o momento atual é muito difícil para as famílias e para as empresas” e recordou que nos últimos meses foram tomadas medida pelo Governo e Assembleia da República no “sentido de flexibilizar” 0 pagamento “por parte dos contribuinte em particular com muita relevância para as empresas”, bem como da “conjugação que foram os planos prestacionais feitos, dos adiamentos das obrigações fiscais”.

“Aquilo que hoje assistimos é um cumprimento generalizado por parte das empresas e por parte das famílias”, assegurou o secretário de Estados dos Assuntos Fiscais.

Relacionadas

Novo Banco vendeu imóveis com desconto sem “justificação formal”, diz Deloitte

Auditoria especial ao atos de gestão entre 2000 e 2018 conclui que as vendas de imóveis foram realizadas por valores inferiores, em alguns casos de forma significativa, face às últimas avaliações. E sinaliza inexistência de “procedimentos de análise e justificação formal das variações ocorridas”.

Presidente do BCP defende extensão das moratórias de crédito para setores mais afetados

O presidente executivo do BCP defendeu hoje a extensão das moratórias de crédito para alguns setores mais afetados pela pandemia, alertando para as “consequências muitíssimo negativas” de uma redução da notação de ‘investment grade’ do país.
Recomendadas

Rio afirma que “nunca ninguém fez o que eu fiz” para trazer Governo para as reformas

No discurso de encerramento nas jornadas parlamentares do PSD, em Portalegre, Rui Rio retomou, durante mais de 50 minutos, o seu diagnóstico sobre os problemas do regime e, em particular, da justiça, reiterando críticas à falta de reformismo que considera caracterizar o Governo, mas, sobretudo, o PS.

PCP quer redução do preço do passe intermodal para 30 euros

Os comunistas fizeram as contas e Jerónimo de Sousa afirmou que os custos desta medida, “uma conquista de largo alcance”, calculados em 50 milhões de euros, “valem bem do ponto de vista social, económico e ambiental”.

Bloco de Esquerda quer auditoria às PPP das SCUT em São Miguel

“Deve ser do interesse de qualquer Governo que estes contratos sejam o mais transparentes possíveis para que assim seja melhor defendido o interesse público”, considerou o deputado do BE António Lima.
Comentários