Securitas vai despedir 82 trabalhadores dos aeroportos de Lisboa e da Madeira

A Securitas-Transport Aviation Security informou os trabalhadores em causa da “intenção de proceder ao despedimento coletivo” e justificou o processo com a “necessidade objetiva da redução de pessoal por motivos de mercado e estruturais”.

Cristina Bernardo

A Securitas anunciou a intenção de despedir 82 trabalhadores que prestam serviço de vigilância nos aeroportos de Lisboa e da Madeira, alegando dificuldades de mercado e estruturais. Os trabalhadores abrangidos pelo despedimento foram notificados dessa intenção através de carta registada com data de 29 de outubro, que tem em anexo a lista de todos os que vão ser dispensados.

Na carta a que a Lusa teve acesso, a Securitas-Transport Aviation Security informou os trabalhadores em causa da “intenção de proceder ao despedimento coletivo” e justificou o processo com a “necessidade objetiva da redução de pessoal por motivos de mercado e estruturais”.

A empresa presta serviços nos aeroportos de Lisboa e da Madeira desde 2019, no controlo de acessos de pessoas e no rastreio de bagagens e pessoas.

Rui Tomé, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores de Atividades Diversas (STAD), que representa os vigilantes, disse à agência Lusa que os representantes dos trabalhadores ainda não foram formalmente informados do despedimento coletivo e espera que isso aconteça na segunda-feira para de seguir iniciar os procedimentos necessários à sua defesa. “O STAD tudo fará para inverter esta situação ou, pelo menos minimizar os prejuízos aos trabalhadores”, afirmou.

Esta é a segunda empresa que presta serviço no aeroporto de Lisboa a iniciar despedimento coletivo.

No início do mês a ISS comunicou a 116 trabalhadores, que asseguram a limpeza dos aviões em Lisboa, a intenção de proceder a despedimento coletivo.

A coordenadora do STAD, Vivalda Silva, tem acompanhado a situação e disse à Lusa que, na segunda reunião de discussão do processo, a empresa concordou em não despedir cinco trabalhadoras que estão a amamentar, se estas aceitarem ir trabalhar para outro local.

Na lista do despedimento coletivo estão também cinco casais e a empresa aceitou prolongar o prazo do aviso prévio a um dos elementos de cada um dos pares, em função da antiguidade.

“Quanto ao cálculo das indemnizações, a empresa admite majorar alguma coisa, mas não aceita que o subsídio de turno entre nas contas, o que é inaceitável”, afirmou.

A sindicalista acredita que muitos dos trabalhadores optem por impugnar o despedimento, porque não concordam com as indemnizações.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários