Sede da UNESCO vai ter uma horta portuguesa

Ainda não há uma data definida para a implantação do projeto, mas estima-se que até ao final de 2019 a grande horta urbana, com assinatura portuguesa, da sede da UNESCO esteja já em fase de cultura.

A Noocity Ecologia Urbana vai criar uma horta urbana na sede da Unesco, em Paris.

A ‘startup’ portuguesa, que concorria com os principais ‘players’ na área da agricultura urbana, foi a selecionada no âmbito da 3ª edição do projeto ‘Parisculteurs’, uma iniciativa da Câmara Municipal de Paris que tem como objetivo implementar 100 hectares de agricultura urbana na cidade até 2020.

“A Noocity Ecologia Urbana vai criar uma horta urbana de até 1.800 metros quadrados na sede da Unesco, em Paris”, adianta um comunicado da empresa, acrescentando que foi selecionada pela UNESCO para implementar uma horta urbana na Place de Fontenoy, no quarteirão 7 do coração de Paris, a chamada Maison de l’UNESCO, o edifício emblemático que acolhe a sede da organização.

“A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, colocou à disposição 1.800 metros quadrados, no jardim em frente ao edifício para a criação da horta urbana, uma iniciativa inserida dentro do projeto ‘Parisculteurs’ no qual 33 empresas, entidades públicas e proprietários parisienses disponibilizam espaços passíveis de se transformar em locais de agricultura urbana”, destaca o referido comunicado.

De acordo com esse documento, “a proposta da Noocity visa testar um modelo sustentável de horta local que devolve à cidade a biodiversidade de uma área produtiva, ao mesmo tempo que permite o envolvimento e participação dos funcionários da UNESCO tanto nas atividades da horta como no usufruto das colheitas”.

“Na prática, serão criadas três zonas de cultura distintas – uma para legumes de época, outra para frutos vermelhos e uma terceira destinada à cultura de ervas aromáticas, flores comestíveis – cujos produtos poderão ser vendidos a preços muito competitivos aos colaboradores e ‘chefs’ de cozinha do restaurante da sede da UNESCO”, revela o comunicado em causa.

“É uma grande oportunidade de provar que a agricultura urbana pode ser uma atividade realmente sustentável e produtiva e que as empresas podem ter um papel ativo e muito importante na facilitação de alimentos biológicos e saudáveis aos seus funcionários”, explica José Ruivo, CEO da Noocity.

“As hortas inteligentes da Noocity – as ‘Growbed’ – que serão colocadas na sede da UNESCO são soluções simples e elegantes, inspiradas nas melhores práticas da agroecologia, que pretendem mimetizar o ciclo natural autossuficiente da natureza. Possuem um sistema de sub-irrigação que permite autonomia de rega de até três semanas, e a altura de 28 centímetros do solo cultivável viabiliza a plantação de qualquer tipo de legume, fruta ou erva aromática. Todas as culturas são tratadas de forma biológica, utilizando apenas fertilizantes orgânicos”, garante a Noocity.

Ainda não há uma data definida para a implantação do projeto, mas estima-se que até ao final de 2019 a grande horta urbana, com assinatura portuguesa, da sede da UNESCO esteja já em fase de cultura.

A Noocity Ecologia Urbana é uma ‘startup’ portuguesa, sedeada no Porto, focada no desenvolvimento de produtos e serviços inteligentes para a prática da agricultura urbana doméstica.

2A ideia surgiu em 2013 quando José Ruivo (PT), Pedro Monteiro (BR) e Samuel Rodrigues (PT) resolveram montar uma horta no pátio do prédio no centro da cidade do Porto, onde trabalhavam. Por não encontrarem produtos adequados para Agricultura Urbana, juntaram esforços e experiência em arquitetura e permacultura e começaram a construir os seus próprios equipamentos para o cultivo de alimentos”, explica o comunicado da empresa.

Em 2015, a Noocity lançava, através de uma campanha de ‘crowdfunding’ na plataforma ‘indiegogo’, a Noocity Growbed. “As encomendas chegaram, então, dos quatro cantos do mundo”, garantem os responsáveis da empresa.

No ano seguinte, a empresa foi distinguida com o ‘Prémio Nacional das Indústrias Criativas’ e representou Portugal na final, em Copenhaga, juntamente com 60 projetos de todo o mundo, ficando entre os 12 semi-finalistas.

“Além do mercado nacional, a Noocity está já presente em vários países, com mais de 4.000 metros quadrados de hortas instaladas em todo o mundo. O mercado francês é a grande aposta para os próximos tempos – a entrada naquele mercado deu-se em 2018 e em menos de um ano representa já cerca de 50% das vendas da empresa e o novo cliente, a sede da UNESCO, vem amplificar a importância do país para a Noocity”, admitem os responsáveis desta ‘startup’..

Entre as hortas já instaladas pela Noocity, destacam-se a ‘horta presidencial’ no Palácio de Belém, as mais de 20 camas de cultivo da horta do Hotel Crowne Plaza Porto ou as instalações no Foodentropie ou La Prairie du Canal em Paris.

 

Ler mais
Recomendadas

PremiumVindimas no Douro vão ter aumento de 30% na produção

O IVV prevê uma boa vindima de norte a sul do país, incluindo a Madeira e os Açores. Para as regiões do Dão e da Beira esperam-se ‘disparos’ de produção de 35%. Tejo e Lisboa são as únicas a cair.

Glovo compra aplicação de venda de comida à dona das marcas Burguer King e Pizza Hut

O contrato de compra foi assinado esta terça-feira, e com esta operação, a AmRest vai receber novas ações no capital da Glovo e mais cinco milhões de euros por ajustes no preço.

Projeto de criação de ostras em Portugal abre segunda fase de financiamento

Segundo a plataforma GoParity, o objetivo da OysterWorld é angariar 2,1 milhões no total, que será financiado na sua maior parte por um financiamento a fundo perdido do programa Mar 2020, no montante de 1,07 milhões de euros, e o remanescente por capitais próprios e uma linha de financiamento de longo prazo.
Comentários