Sede do Novo Banco deixa a icónica Avenida da Liberdade e passa para o Tagus Park (com áudio)

Esta mudança, segundo a instituição, vai permitir ao banco uma poupança de 30% nos seus custos de energia.​​​​​​​ O banco espera ainda obter uma redução de 35% por ano em custos operacionais com edifícios, ou seja três milhões de euros por ano.​​​​​​​

A nova sede do banco liderado por António Ramalho será no Tagus Park, de acordo com uma nota publicada esta quarta-feira na intranet do Novo Banco. O banco que nasceu das cinzas do Banco Espírito Santo deixa assim a icónica sede da Avenida da Liberdade, em Lisboa, e passa para o campus Tagus Park, em Porto Salvo.

​​​​​​​Esta mudança, segundo a instituição, vai permitir ao banco uma poupança de 30% nos seus custos de energia.​​​​​​​ O banco espera ainda obter uma redução de 35% por ano em custos operacionais com edifícios, ou seja três milhões de euros por ano.​​​​​​​

“É um passo relevante na estratégia de futuro do Banco”, diz fonte do Novo Banco ao Jornal Económico (JE).

“O Novo Banco Campus começou a ganhar forma”, é o título da comunicação interna divulgada. Será assim no campus de Porto Salvo que será a nova sede do Novo Banco e das empresas do grupo, o que aliás já acontece com o concorrente Millennium BCP.

O Novo Banco Campus irá acolher de forma faseada, durante o ano de 2022, “os seus serviços centrais atualmente localizados no centro de Lisboa”.

“A total operacionalidade do campus está prevista para a primavera de 2023. Os trabalhos no Tagus Park de adaptação, remodelação e construção terão início brevemente”, anuncia o banco que considera esta mudança de sede da história localização na Avenida da Liberdade, em Lisboa, para Porto Salvo um “marco histórico para o banco porque iremos reunir pela primeira vez todos os serviços centrais num mesmo espaço”. ​​​​​​​

“Esta mudança permite-nos iniciar um novo capítulo da nossa história, numa nova morada liberta dos elos que ainda nos ligam ao passado e que irá promover uma nova filosofia de trabalho assente na colaboração, flexibilidade e sustentabilidade. O Novo Banco Campus será voltado para a comunidade com base em valores de transparência e sustentabilidade”, diz António Ramalho, CEO do banco, em comunicado.

Segundo a comunicação interna, “o Novo Banco Campus será um espaço de colaboração, onde o bem estar do colaborador será uma prioridade, tirando o máximo partido do enquadramento, da luz natural e da localização, privilegiando o envolvimento por amplas áreas verdes. O projeto prevê a criação de áreas comuns como auditórios, espaços de trabalho partilhados, serviços de conveniência, espaços sociais e para prática de exercício físico que irão potenciar melhores índices de produtividade e assegurar conforto e conveniência aos colaboradores”.​​​​​​​

Todas estas funcionalidades “irão consolidar a marca Novo Banco e transmitir valores fundamentais, como envolvimento, flexibilidade, otimização e modernidade. O campus será assim um dinamizador neste ecossistema, para o qual irá contribuir com dinamismo e vivência, melhorando a atratividade da área”, refere a administração do banco na comunicação interna.

Em termos arquitetónicos e considerando os espaços verdes envolventes, “o campus será um polo moderno assente numa construção ambientalmente sustentável, energicamente eficiente, com recurso a materiais recicláveis, apostando na reutilização de instalações e elementos construtivos numa lógica de economia circular”, lê-se na nota interna.

Estão a ser desenvolvidos processos de certificação LEED, para a área de eficiência energética e ambiental, e WELL, “para a área condições de trabalho e vida no campus para os colaboradores”.​​​​​​​

A certificação WELL é considerada a primeira certificação do mundo focada exclusivamente na saúde e bem-estar humano. Considera as pessoas o centro do projeto, construção e uso de edifícios. O trabalho da WELL é reconhecer e promover a relação entre edifícios e seus ocupantes. A certificação é gerida pelo International WELL Building Institute e certificada pelo US Green Building Council (LEED), explica a instituição.

“Podermos marcar esta nova fase do banco com uma nova sede, permitir-nos-á começar de novo onde apenas o futuro interessa. Queremos criar condições para que possamos atingir o nosso potencial, individual e coletivamente. Acreditamos que quando os colaboradores conseguirem preencher o seu potencial, o Novo Banco consegue atingir o seu potencial”, diz a administração do banco aos seus colaboradores.

Recomendadas

Banco italiano Intesa Sanpaolo sobe lucros para 3.023 milhões no primeiro semestre

As receitas ascenderam a 10.674 milhões de euros, mais 1,7% em comparação com os 10.494 milhões de euros obtidos no primeiro semestre de 2020, e os custos foram de 5.255 milhões de euros, menos 2,7%

Banco Angolano de Investimentos aliena participações sociais na Griner e Novinvest por 13 milhões

Estas operações inserem-se na estratégia de separação de atividade financeiras e não financeiras do grupo BAI, permitindo, simultaneamente, a criação e desenvolvimento de grupos não financeiros angolanos que contribuam para o crescimento do país.

Commerzbank agrava prejuízos para 394 milhões de euros no primeiro semestre

O Commerzbank, segundo maior banco comercial privado da Alemanha, informou que as receitas totais melhoraram no primeiro semestre para 4.353 milhões de euros (+5,5%).
Comentários