Twitter vai permitir aos utilizadores que cobrem por conteúdo exclusivo

Durante a apresentação anual do ‘Analyst Day’, a empresa mostrou uma imagem exemplificativa de uma conta ‘Super Segue’ a cobrar 4,99 euros por mês. O conteúdo exclusivo pode consistir em “tweets bónus, acesso a um grupo da comunidade, assinatura de um boletim informativo ou um emblema de apoiante”, revelou a rede social.

Brendan McDermid/Reuters

O Twitter planeia começar a testar vários novos recursos, incluindo um programa baseado em subscrições chamado ‘Super Segue’, que permitirá que os utilizadores obtenham receita com os seus seguidores dentro da plataforma, através de conteúdo exclusivo, avança a “Forbes”.

Durante a apresentação anual do ‘Analyst Day’, a empresa mostrou uma imagem exemplificativa de uma conta ‘Super Segue’ a cobrar 4,99 euros por mês. O conteúdo exclusivo pode consistir em “tweets bónus, acesso a um grupo da comunidade, assinatura de um boletim informativo ou um emblema de apoiante”, revelou a rede social.

O Twitter disse que também planeia explorar uma opção de doações, mas só vai revelar detalhes adicionais “nos próximos meses”.

Outro recurso que a empresa pretende lançar chama-se ‘Comunidades’ que, semelhante aos Grupos do Facebook, permitirá que os utilizadores criem e participem em grupos privados focados em interesses específicos.

A rede social ainda não confirmou a data de início dos testes de qualquer um dos novos recursos ou quando é que estes poderão ser lançados formalmente.

“Explorar oportunidades de financiamento como o ‘Super Segue’ permitirá que criadores e editores sejam diretamente apoiados pelo seu público ao mesmo tempo que os incentiva a continuar a criar conteúdo que o seu público adora”, disse um porta-voz do Twitter através de um comunicado.

Antes do início de suas apresentações do Analyst Day, o Twitter disse que pretende, pelo menos, dobrar a receita anual total e o número de utilizadores diários durante os próximos quatro anos. De acordo com um documento regulatório consultado pela “Forbes”, a empresa espera que a receita anual aumente de 3,7 mil milhões de dólares (3 mil milhões de euros) em 2020 para 7,5 mil milhões de dólares (6,1 mil milhões de euros) ou mais em 2023, ao mesmo tempo que projeta que os utilizadores ativos diários superem os 315 milhões até ao último trimestre de 2023.

Ler mais
Recomendadas

Apritel afrima que Portugal está “na liderança da descida de preços nos pacotes” de comunicações

A associação aponta que “mais uma vez o preço das comunicações desce mais em Portugal do que na Europa” e que o país está “na liderança da descida de preços nos pacotes de comunicações”, subscritos por 88% das famílias portuguesas.

Portugal respondeu a Bruxelas sobre atraso na adoção de diretiva das telecomunicações dez dias depois do prazo

A Comissão Europeia está agora a avaliar os argumentos apresentados por Portugal para explicar o atraso na adoção da diretiva europeia. Dos 24 Estados-membro alvo de um processo de infração apenas a Dinamarca concluiu a transposição. Há 15 países na mesma situação que Portugal.

Transportes ferroviários e alfândegas são os principais obstáculos ao desenvolvimento do sector logístico em Portugal

“Relativamente à utilização dos diferentes modos de transporte, continua a verificar-se uma forte dependência do transporte rodoviário, com impactos negativos ao nível da sustentabilidade ambiental”, destaca, em exclusivo ao Jornal Económico, Raul de Magalhães, presidente da Aplog, referindo-se a um das conclusões do estudo feito em parceria com a consultora KPMG.
Comentários