PremiumSeixal atrai investimento de mil milhões

O concelho vai arrancar com uma dezena de projetos turísticos e hoteleiros. Joaquim Santos revela contrato de 200 milhões com multinacional de saúde.

Joaquim Santos, presidente da Câmara Municipal do Seixal, prevê que nos próximos meses entrem no concelho mais de mil milhões de euros de investimentos privados, nacionais e estrangeiros, no setor hoteleiro e turístico, mas também na indústria farmacêutica e em infraestruturas. Em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, o autarca que lidera o concelho que esteve em destaque na última edição do SIL – Salão Imobiliário de Lisboa destaca que o boom imobiliário e turístico, se está a refletir também no crescimento exponencial do alojamento local no concelho.

Qual é a procura de novos habitantes estrangeiros no concelho do Seixal?

O aumento da procura do mercado imobiliário tem-se feito sentir no concelho do Seixal, estando a surgir empreendimentos de elevada qualidade de construção, não só em áreas próximas da Baía do Seixal, como é o caso da Quinta da Trindade, como no interior do município, na proximidade de áreas mais naturalizadas, como são os casos dos empreendimentos da Quinta do Pinhão e do Monteverde. Atualmente, é interessante constatar que o Seixal vive uma nova dinâmica em termos sociais e habitacionais. Exemplo é o número de cidadãos estrangeiros que têm vindo a escolher o concelho para residir, em particular franceses e suecos, e que tem vindo a aumentar de ano para ano, por verem no concelho um território com grande qualidade de vida às portas de Lisboa. A perspetiva é que o número de residentes estrangeiros venha a aumentar substancialmente nos próximos tempos, tendo em conta que o município tem recebido a visita de inúmeras delegações estrangeiras que pretendem visitar o concelho tanto para residir como para investir. A participação do concelho em vários certames pelo país tem também levado a que muitos nos queiram visitar e conhecer. O nosso clima, a nossa localização geográfica, a poucos minutos de Lisboa e em especial a nossa Baía do Seixal são grandes atrativos que têm feito com que muitos cidadãos estrangeiros escolham o Seixal e não outras localidades para residir. Desde o início de 2017, até à data atual, podemos falar da instalação de cerca de 200 novos agregados familiares estrangeiros, no Seixal, essencialmente, franceses, suecos e suíços.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Empresários brasileiros estudam investimentos na margem sul do Tejo

A empresa pública Baía do Tejo, que gere terrenos nos concelhos do Barreiro, Seixal e Almada, recebe esta terça-feira uma comitiva de cerca de uma dezena de empresários brasileiros interessados em efetuar investimentos imobiliários e turísticos nesta região.

Uber Eats ruma à Margem Sul e já está disponível em Almada e Seixal

Com este lançamento o Uber Eats já está disponível em dez cidades nacionais: Lisboa, Porto, Oeiras, Cascais, Amadora, Loures, Leça da Palmeira, Matosinhos e agora Almada e Seixal.
Recomendadas

Meses de Verão vão “mitigar os prejuízos” dos sector das viagens, mas recuperação vai demorar, alertam agências de viagens

Segundo o vice-presidente da ssociação de Sócios Gerentes das Agências de Viagens e Turismo “o Algarve continuará a ser a região de eleição e os turistas britânicos vão ter muito peso no aumento do turismo no país”.

Passageiros nos voos da TAP entre Portugal e o Reino Unido mais que duplicam

Em comunicado a TAP aponta que “a entrada de Portugal na “green list” de destinos de Inglaterra teve um impacto positivo na procura de voos entre o Reino Unido e Portugal.

Venda das barragens da EDP: Movimento exige a Finanças “arquivamento imediato” de inquérito a funcionário da AT

O Movimento Cultural da Terra de Miranda (MCTM) diz “não haver razões” que justifiquem “processo de inquérito” a membro do Movimento, ex-dirigente da AT, devido a nota jurídica sobre o impacto fiscal da venda das barragens da EDP no Rio Douro à Engie. Exige um pedido de desculpas ao MCTM e dá conta que documento foi elaborado  a pedido do Ministro do Ambiente, numa reunião que realizou com este Movimento, em 2 de setembro de 2020.
Comentários