“Sem voto impresso não haverá eleição”. Bolsonaro quer acabar com voto eletrónico

“A única republiqueta do mundo que aceita essa porcaria de voto eletrónico é a nossa. Tem de ser mudado”, disse Jair Bolsonaro.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro quer o fim do voto eletrónico e defende que as eleições devem decorrer exclusivamente por voto impresso. Se a sua proposta não passar, as eleições presidenciais em 2022 poderão não avançar, ameaçou o presidente brasileiro.

A posição de Bolsonaro foi reforçada na quinta-feira num direto feito pelo Facebook. “A única republiqueta do mundo que aceita essa porcaria de voto eletrónico é a nossa. Tem de ser mudado. E digo mais: se o Parlamento brasileiro, com maioria qualificada e três quintos na Câmara [dos Deputados] e no Senado, aprovar e promulgar vai haver voto impresso em 2022 e ponto final”, sublinhou o presidente brasileiro.

Durante a sua intervenção Bolsonaro assegurou que “se não houver voto impresso é sinal que não vai haver eleição”. “Acho que o recado está dado”, completou.

O governante brasileiro referiu ainda que os defensores da democracia, que querem que o voto “valha de verdade”, têm de aprovar a adotar a medida para que os votos possam ser validados. Assim, Bolsonaro agradeceu ao presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, Bia Kicis, e o presidente da Câmara, Arthur Lira, por darem prosseguimento à tramitação de uma proposta de emenda à Constituição nesse sentido.

Os comentários surgem depois de Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil, considerar o sistema de voto em urna eletrónica “totalmente confiável”. Relativamente à proposta de Bolsonaro, Roberto Barroso admitiu, em entrevista à “Globo”, que: “Vamos criar o caos num sistema que funciona muitíssimo bem”.

“O Brasil tem 5.600 municípios. O voto impresso vai permitir que cada candidato que queira questionar o resultado peça a conferência dos votos. Vai contratar os melhores advogados eleitorais do país para buscar uma nulidade, alguma inconsistência e vai questionar oficialmente o resultado das eleições”, prevê o presidente do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil.

Jair Bolsonaro tem vindo a opor-se ao voto eletrónico e quando Donald Trump perdeu as eleições nos EUA o presidente brasileiro referiu que as eleições americanas tinham sido fraudulentas também pela forma como a população tinha votado. Agora, com as eleições no Brasil em mente, Bolsonaro também se refere ao método de votação eletrónico como fraudulento.

Em novembro de 2020, o politólogo Christian Lynch, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, antecipava ao “El País” que a reação do bolsonarismo à derrota de Trump indicava que a tendência para a estratégia de desacreditar o processo eleitoral poderia ser reproduzida na próxima eleição presidencial brasileira, em 2022.

Relacionadas

Presidente do Brasil diz que teve sintomas de reinfeção recentemente (com áudio)

“Canalha é quem disse que não toma isso e não dá alternativa. Eu nunca vi ninguém morrer por ter usado hidroxicloroquina, que é largamente usada na região amazónica para combater a malária, para combater o lúpus ou então artrite”, disse Bolsonaro.

Ministro da Saúde do Brasil defende distanciamento social até ao fim da vacinação

Em relação a possíveis confinamentos ou às restrições que Bolsonaro tem rejeitado, o ministro reconheceu que “essas medidas extremas podem ser aplicadas em situações específicas em algum município”, mas descartou que possam ser impostas a nível nacional, num país tão grande como Brasil, com 212 milhões de habitantes.

Presidente do Brasil lamenta “número enorme de mortes” mas critica isolamento

O Brasil ultrapassou na quinta-feira a trágica marca das 400 mil vítimas mortais (401.186) devido à covid-19, após 14 meses de pandemia no país, sendo a segunda nação com mais óbitos em todo o mundo.
Recomendadas

Banco Mundial responsabiliza vacinação desigual por recuperação económica a dois tempos

A diretora-geral do Banco Mundial, Ngozi Okonjo-Iweala, afirmou este sábado, numa conferência à margem da cimeira do G7, que a distribuição desigual de vacinas vai ter impacto na recuperação económica mundial, em especial em África e na América Latina. 

Brexit. Boris Johnson “não hesitará” em suspender acordo por causa da Irlanda do Norte

UE e Reino Unido estão em conflito aberto porque este último tomou medidas unilaterais para mitigar o impacto da introdução de controlos aduaneiros na circulação de algumas mercadorias, como produtos alimentares frescos, o que levou a Comissão Europeia a levantar um processo de infração em março. 

Líderes do G7 acordaram lançar plano de infraestruturas para combater projeto da China

A proposta dos EUA visa mobilizar capital do sector privado para promover projetos em quatro áreas: clima, segurança sanitária, tecnologia digital e igualdade de género, além de contar com investimentos de instituições financeiras.
Comentários