Senado confirma Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal dos EUA

A designação da juíza Barrett, de 48 anos, garante assim uma maioria conservadora de 6-3 no Supremo Tribunal, o que alguns analistas consideram poder ser importante a curto prazo, se os resultados eleitorais das presidenciais de 3 de novembro forem contestados pelos republicanos, como já foi admitido pelo Presidente Donald Trump.

O Senado norte-americano confirmou segunda-feira à noite a juíza Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos da América (EUA), o que representa uma vitória política para o Presidente Donald Trump a poucos dias das eleições presidenciais.

O sentido de voto dos membros do Senado (câmara alta do Congresso norte-americano, atualmente de maioria republicana) foi expectável com as linhas partidárias.

O nome de Amy Coney Barrett foi confirmado com 52 votos a favor – todos senadores republicanos – e 48 votos contra (todos membros democratas e uma senadora republicana).

A designação da juíza Barrett, de 48 anos, garante assim uma maioria conservadora de 6-3 no Supremo Tribunal, o que alguns analistas consideram poder ser importante a curto prazo, se os resultados eleitorais das presidenciais de 3 de novembro forem contestados pelos republicanos, como já foi admitido pelo Presidente Donald Trump.

O Supremo Tribunal, a mais alta instância judicial norte-americana e o terceiro ramo do poder nos Estados Unidos, é chamado a decidir sobre dossiês ideologicamente muito sensíveis, como o aborto, a pena de morte, o casamento homossexual ou porte de armas de fogo.

Depois dos juízes Neil Gorsuch (2017) e Brett Kavanaugh (2018), esta é a terceira nomeação para o Supremo do Presidente Trump num único mandato.

Ler mais
Recomendadas

Congresso dos Estados Unidos ainda tem cinco incógnitas um mês depois das eleições

Dois lugares no Senado serão decididos numa segunda volta, marcada para 5 de janeiro, enquanto a Câmara dos Representantes aguarda por um duelo entre dois republicanos e pelas batalhas judiciais que devem ser travadas por dois candidatos democratas que ficaram a um punhado de votos das vencedoras. Elevado número de boletins enviados pelo correio atrasou escrutínio sobretudo nos estados da Califórnia e de Nova Iorque.

Covid-19: França registou 313 mortes num dia

O número de novos casos diários no país foi de 14.064 nas últimas 24 horas, uma subida face aos números dos dois dias anteriores, tendo sido já confirmados 2.244.635 casos de covid-19 em França desde o início da pandemia.

“Donald Trump quer um acordo para não ser acusado”, diz ex-porta-voz Scaramucci

Num painel da Web Summit, o ex-porta-voz que se tornou crítico disse que Donald Trump quer causar “tanto estrago quanto humanamente possível” para conseguir um acordo de imunidade. Estrategas dos dois lados do espectro político disseram que a reação Trump aos resultados tem causado distração desnecessária.
Comentários