Senhorios não podem proibir cães em casas arrendadas

Tribunal conclui que “a proibição pode-se considerar violadora de direitos fundamentais do arrendatário”, o que quer dizer que estas cláusulas ‘anti-cão’ podem ser vistas como violadoras da Constituição.

Já não vai ser tão fácil para os senhorios proibir a entrada de cães nos contratos de arrendamento.

O Tribunal de Relação do Porto abriu um precedente ao decidir a favor de uma inquilina que queria manter o cão em casa, apesar de ter celebrado um contrato onde concordou com o impedimento de animais no local arrendado.

A decisão expressa que o animal “reveste-se de importância no seio da família” e portanto torna-se nulo o impedimento do animal no contrato, segundo divulga o JN.

Outra situação idêntica em Gondomar teve o mesmo fim.

Apesar da vontade expressa do senhorio de “não permitir no locado a existência de animais domésticos”, o tribunal concluiu que “a proibição pode-se considerar violadora de direitos fundamentais do arrendatário”, o que quer dizer que estas cláusulas ‘anti-cão’ podem ser vistas como violadoras da Constituição.

Apesar dos cães serem vistos como objetos na lei atual, “o juiz tem de atender ao valor pessoalmente constitutivo que o animal possa ter para o seu dono, por exemplo para uma pessoa que viva sozinha ou no caso de contribuir para o bom desenvolvimento de um filho que tem perturbações de ansiedade”, segundo se pronunciou o Tribunal da Relação do Porto.

Ler mais
Recomendadas

Saiba como ler as novas faturas de combustível

As faturas de combustível detalhadas mencionam a pegada ecológica significativa do consumo realizado pelo consumidor, discriminando também a carga fiscal existente das obrigações legais.

Deco defende mudanças no acesso à tarifa social após fim da suspensão dos cortes

A associação de defesa do consumidor Deco emitiu hoje um alerta a lembrar que o regime que impede a suspensão dos serviços essenciais termina no final deste mês e a defender mudanças no acesso às tarifas sociais.

Direitos excecionais e temporários relativamente a serviços essenciais acabam a 30 de setembro

Para todas as faturas que estejam em atraso desde 13 de março, o consumidor poderá solicitar um plano de pagamentos em prestações mensais, sem juros, o qual pode iniciar-se apenas no mês de novembro.
Comentários