Sentimento económico e expectativas de emprego melhoram em fevereiro na Europa

Os indicadores de confiança económica na Europa mostram melhorias de perspetivas de curto-prazo nos sectores da indústria e serviços e junto dos consumidores, numa altura em que as campanhas de vacinação dão esperança numa retoma em breve.

O indicador de perceção económica do Eurostat mostra a confiança dos agentes europeus a aumentar em fevereiro em comparação com o verificado no mês anterior, numa altura em que a pandemia começa a dar sinais de estar mais controlada no continente e as vacinas dão alguma esperança de uma retoma mais rápida do que inicialmente previsto, revelam os dados divulgados esta quinta-feira pelo Eurostat.

O índice subiu tanto na União Europeia, crescendo 1,9 pontos até aos 93,1, e na zona euro, onde igual subida resultou num valor de 93,4. Adicionalmente, o indicador de expectativas de emprego também acelerou em ambas os grupos de países, com a UE a verificar mais 1,7 pontos, chegando aos 91,9, e a zona euro a subir 1,8 pontos até aos 90,9).

O indicador que reflete o sentimento económico na Europa conseguiu estes resultados dados os aumentos de confiança na indústria, serviços e junto dos consumidores, como explica a nota do gabinete de estatística da UE. No comércio a retalho o indicador caiu, tendo-se mantido constante na construção. Já no indicador referente aos serviços financeiros, que não conta para o de percepção económica, as quedas foram mais fortes.

Também as expectativas de emprego cresceram, com o indicador referente a este aspeto da economia a subir 1,7 pontos. Esta subida foi resultado do aumento nos planos de emprego na indústria e serviços, que compensaram as quedas esperadas no número de pessoas empregadas na construção.

Recomendadas

Taxa de desemprego baixou em outubro no conjunto da OCDE

Em outubro, havia 38,3 milhões de desempregados em toda a OCDE, ou seja, 2,8 milhões a mais do que antes da pandemia.

Bruxelas propõe dotar UE de nova ‘arma’ para contra-atacar “coerção económica”

De acordo com Bruxelas, “o objetivo é dissuadir os países de restringir ou ameaçar restringir o comércio ou o investimento para provocar uma mudança de política na UE em áreas como as alterações climáticas, a tributação ou a segurança alimentar”.

Governo anuncia recrutamento de 200 trabalhadores para reforçar Autoridade Tributária

Autorização foi dada esta semana pelo ministro das Finanças. João Leão, e revelada esta terça-feira, pelo secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes.
Comentários