Sérvulo estabelece parceria com sociedade de advogados em Cabo Verde

A MJN Advogados, de Maria João de Novais, é o novo escritório parceiro da Sérvulo & Associados.

A Sérvulo & Associados anunciou o estabelecimento de mais uma parceria em África, desta vez com a MJN Advogados, localizada na cidade da Praia, em Cabo Verde. O novo acordo com o escritório cabo-verdiano segue-se ao com a sociedade local Hélio Sanches – Advogados & Consultores Jurídicos, com sede também na Ilha de Santiago.

Fundada em 2003 por Maria João de Novais – licenciada pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e está inscrita na Ordem dos Advogados portuguesa e cabo-verdiana –, esta sociedade de advogados de cariz internacional tem-se focado na elaboração de dossiês de concursos públicos, avaliação de ofertas, negociação de contratos e acompanhamento (extra e judicialmente) de empreitadas de obras públicas e privadas, entre outros.

Paulo Câmara, managing partner da Sérvulo, lembra, em comunicado, os laços antigos com o continente africano, sobretudo com Cabo Verde, Moçambique e Angola, países onde tem assessorado bancos, reguladores e outras entidades estatais. A sociedade de advogados que lidera conta com uma “African Desk”, coordenada pelos sócios Mark Kirkby e João Saúde. “Vemos em Cabo Verde um país estável e seguro com uma governação pública amadurecida que serve de exemplo para África. Acreditamos, em suma, nas potencialidades do país e no seu continuado crescimento”, disse Paulo Câmara, em entrevista ao Jornal Económico, publicada em 2018.

Paulo Câmara: privatizações em Cabo Verde deveriam ser aproveitadas para dinamizar a bolsa

Recomendadas

PremiumMazars: “Vamos continuar a lutar pela auditoria conjunta”

Luís Gaspar, managing partner da Mazars Portugal, afirma que, até 2020, a firma quer estar presente em 100 países e somar 2,2 mil milhões de euros de volume de negócios.

Menos NPL só com uma lei que teima em não mudar

Há muitos instrumentos para a satisfação do direito de crédito previstos desde sempre no Código Civil e à disposição de qualquer credor. Não são ferramentas velhas e inúteis.

Banco de Portugal já assinou contratos superiores a 3,3 milhões de euros com advogados em 2019

Pagamento de três milhões de euros à Gonçalves Pereira ainda fica aquém do valor que o banco central se comprometeu a pagar no ano passado à Vieira de Almeida & Associados.
Comentários