Siemens planeia pôr negócio de energia na bolsa em 2020

Entrada em bolsa vai permitir que a empresa fique mais “focada no mercado de energia”, segundo a multinacional sediada na Alemanha.

A Siemens está a planear colocar o seu negócio de energia na bolsa em meados de setembro de 2020, criando uma nova empresa com as unidades de petróleo e gás, geração de energia, energia renovável, ativos de transmissão da multinacional, avança a “Reuters” .

A notícia foi dada à agência por Lisa Davis, responsável por essa unidade da multinacional, à margem de uma conferência sobre energia em Abu Dhabi, três meses depois de o grupo industrial alemão ter anunciado que estava a separar os seus negócios de gás e energia.

“Estamos muito entusiasmados com o que a empresa terá no seu portefólio e, em seguida, que a empresa seja uma entidade cotada em separado no próximo ano, por volta deste período, o que permitirá que seja muito independente e muito focada no mercado de energia”, explicou Lisa Davis.

Em declarações à “Reuters”, Lisa Davis disse também que o Golfo Pérsico era um mercado muito importante para a Siemens, que concluiu a primeira fase de um mega plano de rede elétrica que está a ser implementado no Iraque. “Estamos no processo de discutir e em breve finalizar a segunda fase do ‘roadmap’ do Iraque”, afirmou.

No ano fiscal de 2018, os lucros da Siemens Portugal subiram para 33,7 milhões de euros e as receitas para 319 milhões de euros. A fábrica que a Siemens Portugal tem em Corroios foi responsável pela exportação de 85% dos quadros elétricos que produziu para diversos países, entre os quais a Alemanha, a República Checa, a Holanda, a Suíça, a Bulgária e a Áustria.

As ações da Siemens estão a subir 1,16%, para 97,11 euros, na Bolsa de Frankfurt.

Siemens Portugal vai contratar mais de 100 trabalhadores para reforçar produção no Seixal

Ler mais
Recomendadas

PremiumEDP: resistência em nome (do CEO) da continuidade

A suspensão de António Mexia não abalou a opinião dos analistas nem a cotação das ações da energética. O CEO interino, Miguel Stilwell de Andrade, é visto como dando continuidade a uma estratégia ‘verde’ e ágil que agrada aos investidores.

Restrições belgas a voos de Lisboa deixam passageiros e tripulação desorientados

As restrições impostas pelas autoridades belgas aos voos que chegam de Portugal, com quarentena obrigatória para quem esteve na região de Lisboa, estão a deixar passageiros e companhias aéreas desnorteados, devido à falta de informação e de acompanhamento.

Emirates planeia cortar nove mil postos de trabalho devido à pandemia

O presidente da Emirates Tim Clark, revela que a empresa já cortou um décimo da sua equipa (seis mil empregos), deixando-a com uma força de trabalho de 54 mil trabalhadores, aos quais ainda serão aplicados cortes salariais.
Comentários