Siemens planeia pôr negócio de energia na bolsa em 2020

Entrada em bolsa vai permitir que a empresa fique mais “focada no mercado de energia”, segundo a multinacional sediada na Alemanha.

A Siemens está a planear colocar o seu negócio de energia na bolsa em meados de setembro de 2020, criando uma nova empresa com as unidades de petróleo e gás, geração de energia, energia renovável, ativos de transmissão da multinacional, avança a “Reuters” .

A notícia foi dada à agência por Lisa Davis, responsável por essa unidade da multinacional, à margem de uma conferência sobre energia em Abu Dhabi, três meses depois de o grupo industrial alemão ter anunciado que estava a separar os seus negócios de gás e energia.

“Estamos muito entusiasmados com o que a empresa terá no seu portefólio e, em seguida, que a empresa seja uma entidade cotada em separado no próximo ano, por volta deste período, o que permitirá que seja muito independente e muito focada no mercado de energia”, explicou Lisa Davis.

Em declarações à “Reuters”, Lisa Davis disse também que o Golfo Pérsico era um mercado muito importante para a Siemens, que concluiu a primeira fase de um mega plano de rede elétrica que está a ser implementado no Iraque. “Estamos no processo de discutir e em breve finalizar a segunda fase do ‘roadmap’ do Iraque”, afirmou.

No ano fiscal de 2018, os lucros da Siemens Portugal subiram para 33,7 milhões de euros e as receitas para 319 milhões de euros. A fábrica que a Siemens Portugal tem em Corroios foi responsável pela exportação de 85% dos quadros elétricos que produziu para diversos países, entre os quais a Alemanha, a República Checa, a Holanda, a Suíça, a Bulgária e a Áustria.

As ações da Siemens estão a subir 1,16%, para 97,11 euros, na Bolsa de Frankfurt.

Siemens Portugal vai contratar mais de 100 trabalhadores para reforçar produção no Seixal

Ler mais
Recomendadas

Atenção à sua smart TV. Televisões inteligentes enviam dados privados para Netflix e Facebook

A Amazon, Google, Akamai e Microsoft foram as empresas mais contactadas por parte das smart TV. A Universidade de Northeastern conduziu o estudo em 81 aparelhos distintos e encontrou “casos notáveis de exposição de informação” privada.

Nova Iorque suspende venda de cigarros eletrónicos com sabor

A venda destes produtos está proibida por 90 dias e serve como uma lei de emergência até os EUA chegarem a um consenso político sobre o passo a seguir.

Empresas de pirotecnia acusam Governo de “perseguição absurda e infundada”

Críticas surgem depois da tutela ter emitido despachos que proíbem o lançamento de fogo de artifício durante vários dias em diversos distritos devido ao alerta vermelho da Proteção Civil para risco de incêndio.
Comentários