Siemens planeia pôr negócio de energia na bolsa em 2020

Entrada em bolsa vai permitir que a empresa fique mais “focada no mercado de energia”, segundo a multinacional sediada na Alemanha.

A Siemens está a planear colocar o seu negócio de energia na bolsa em meados de setembro de 2020, criando uma nova empresa com as unidades de petróleo e gás, geração de energia, energia renovável, ativos de transmissão da multinacional, avança a “Reuters” .

A notícia foi dada à agência por Lisa Davis, responsável por essa unidade da multinacional, à margem de uma conferência sobre energia em Abu Dhabi, três meses depois de o grupo industrial alemão ter anunciado que estava a separar os seus negócios de gás e energia.

“Estamos muito entusiasmados com o que a empresa terá no seu portefólio e, em seguida, que a empresa seja uma entidade cotada em separado no próximo ano, por volta deste período, o que permitirá que seja muito independente e muito focada no mercado de energia”, explicou Lisa Davis.

Em declarações à “Reuters”, Lisa Davis disse também que o Golfo Pérsico era um mercado muito importante para a Siemens, que concluiu a primeira fase de um mega plano de rede elétrica que está a ser implementado no Iraque. “Estamos no processo de discutir e em breve finalizar a segunda fase do ‘roadmap’ do Iraque”, afirmou.

No ano fiscal de 2018, os lucros da Siemens Portugal subiram para 33,7 milhões de euros e as receitas para 319 milhões de euros. A fábrica que a Siemens Portugal tem em Corroios foi responsável pela exportação de 85% dos quadros elétricos que produziu para diversos países, entre os quais a Alemanha, a República Checa, a Holanda, a Suíça, a Bulgária e a Áustria.

As ações da Siemens estão a subir 1,16%, para 97,11 euros, na Bolsa de Frankfurt.

Siemens Portugal vai contratar mais de 100 trabalhadores para reforçar produção no Seixal

Ler mais
Recomendadas

“O sol nasceu duas vezes”. De Londres a Sidney são 19 horas e 16 minutos de distância

O recente Boeing 787-9 Dreamliner, apelidado de ‘Longreach’ devido ao propósito das viagens, levantou voo do Reino Unido na manhã desta quinta-feira e aterrou em Sidney à hora de almoço de sexta.

Porto de Sines: ministro das Infraestruturas foi avaliar futuros investimentos

Só no terminal XXI, de contentores, está previsto um investimento superior a 660 milhões de euros, da responsabilidade do operador privado, a PSA, de Singapura.

Carga fiscal faz com que lucros da REN caiam 5% situando-se nos 86,3 milhões de euros

O EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) foi de 368 milhões, o que representa uma queda de 2,7% face ao período homólogo, segundo a REN.
Comentários