Sindicato alemão propõe quatro dias de trabalho para salvar milhares de empregos

O maior sindicato da Alemanha, o IG Metall, propôs uma semana de trabalho de quatro dias para os setores da indústria e automóvel antes da próxima ronda de negociações com o governo no início do próximo ano.

O sindicato alemão IG Metall propôs uma redução na semana de trabalho, passando a ser de quatro dias por forma a prevenir que milhares de cidadãos vão para o desemprego, informa o “DW” este domingo, 16 de agosto.

O maior sindicato da Alemanha, o IG Metall, propôs uma semana de trabalho de quatro dias para os setores da indústria e automóvel antes da próxima ronda de negociações com o governo no início no próximo ano. Seria “a resposta às mudanças estruturais em setores como a indústria automóvel”, referiu o presidente do sindicato Jörg Hoffman ao jornal nacional alemão “Süddeutsche Zeitung”.

A indústria automóvel alemã sustenta cerca de 830 mil pessoas e contribui com cerca de 5% do Produto Interno Bruto (PIB) do país. No início deste ano, uma agência de investigação financiada pelo governo indicou que na pior das hipóteses, mais de 400 mil empregos na indústria automobilística alemã podem desaparecer até 2030.

Nas próximas negociações sindicais, Jörg Hoffman afirmou que o IG Metall vai pedir um aumento salarial para os trabalhadores, apesar da recessão. O maior sindicato industrial europeu representa os trabalhadores de construtoras como a Audi, BMW e Porsche.

Empresas como a Daimler, ZF e Bosch já fizeram acordos neste verão para reduzir as horas de trabalho dos seus trabalhadores.

Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários