Sindicato da Agricultura assina revisão do Contrato Coletivo de Trabalho com a CAP

O SETAAB – Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Agricultura, Floresta, Pesca, Turismo, Indústria Alimentar, Bebidas e Afinse a CAP (Confederação dos Agricultores de Portugal) assinaram hoje a revisão do Contrato Coletivo de Trabalho (CCT) que regula as relações laborais no setor agrícola.

Reuters

O SETAAB – Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Agricultura, Floresta, Pesca, Turismo, Indústria Alimentar, Bebidas e Afinse a CAP (Confederação dos Agricultores de Portugal) assinaram hoje a revisão do Contrato Coletivo de Trabalho (CCT) que regula as relações laborais no setor agrícola.

Em comunicado o sindicato diz que as partes estiveram representadas por Joaquim Venâncio presidente do Sindicato e por Eduardo de Sousa e Luís Mira, respectivamente, Presidente e Secretário Geral da Confederação Empresarial.

Este Contrato Coletivo de Trabalho “constitui um passo importante no fortalecimento das relações e do diálogo bilaterais, com o SETAAB a manter um papel pioneiro na promoção da contratação colectiva e na regulação e reforço das condições de trabalho da generalidade dos trabalhadores que fazem parte deste importante setor da nossa atividade económica”, diz o sindicato.

Na cerimónia de assinatura esteve presente a UGT que se fez representar pelo seu Secretário-geral Adjunto, Sérgio Monte, e o Secretário Executivo, Luís Costa.

Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

“Queremos estar na linha da frente para relançar a economia nacional”, assegura vice-presidente da IP

Segundo os dados mais recentes fornecidos pela gestora da rede ferroviária nacional ao Jornal Económico, 63% das obras previstas no pano Ferrovia 2020 estão em andamento ou já foram finalizadas, um aumento face aos 52% neste estado que se verificavam em fevereiro deste ano. Estão mais de 800 milhões de euros em obra.

CGTP considera que apoios às empresas e famílias negligenciam “questões essenciais”

“A procura interna e o consumo das famílias, não só no atual período, como na fase que se vai seguir, serão determinantes para relançar a economia, promover emprego e assegurar que os bens e serviços das empresas são vendidos”, sustenta a intersindical.
Comentários