Sindicato dos Jornalistas contesta despedimentos na Global Media

O grupo anunciou esta sexta-feira que vai “iniciar um processo de despedimento coletivo que abrange 81 colaboradores, 17 dos quais jornalistas, em diferentes áreas”.

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) contestou esta sexta-feira o despedimento de 81 trabalhadores, 17 dos quais jornalistas, do Global Media Group (GMG), que detém o “Jornal de Notícias”, “Diário de Notícias” e rádio “TSF”, entre outros, de acordo com um comunicado.

O SJ defende que “os despedimentos e a degradação das condições de trabalho não devem, nem podem, ser a única solução das administrações para resolver as dificuldades económicas”.

A Global Media anunciou hoje que vai “iniciar um processo de despedimento coletivo que abrange 81 colaboradores, 17 dos quais jornalistas, em diferentes áreas”.

Em abril, a Global Media informou que ia entrar em processo de ‘lay-off’, abrangendo 538 trabalhadores, para defender a sua sustentabilidade e os “seus quase 700 postos de trabalho diretos”.

O sindicato manifesta “desde já, a sua solidariedade para com os trabalhadores atingidos por esta decisão e reafirma a sua determinação em defender os postos de trabalho e garantir a proteção dos direitos e interesses dos jornalistas”, lê-se na mesma nota.

“O SJ relembra que acompanha a situação das empresas que compõem o universo GMG (JN, DN, O Jogo e TSF e outras publicações) há anos e considera que o despedimento não pode ser a resposta para compensar perdas em vendas de jornais e publicidade ou investimentos falhados, no quadro de uma gestão irresponsável”, vincou o sindicato.

De acordo com a estrutura sindical, “as redações das várias publicações periódicas e da TSF já estão demasiado exauridas”, sendo que “um novo ‘emagrecimento’ forçado vai, necessariamente, implicar uma redução da informação produzida, com reflexos na qualidade dos conteúdos” alertou.

No comunicado, a SJ alerta que, “durante a fase de informações e negociações que se segue ao anúncio do despedimento coletivo, que tem de ser oficializado por carta pela administração da empresa, os jornalistas e outros trabalhadores abrangidos têm direito a comparecer ao trabalho e a exigir que lhes sejam atribuídas tarefas”, e mostra-se “ao dispor dos seus associados” aconselhando-os “a recorrerem ao apoio jurídico”.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários