Sindicatos chegam a acordo com BCP para revisão da tabela salarial para 2020

Na globalidade, desta revisão, que terá efeitos retroativos desde 1 de janeiro de 2020 (com exceção das ajudas de custo e da remuneração do trabalho suplementar), resulta um aumento superior ao valor da inflação de 2019.

Millennium Bcp

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB), o Sindicato dos Bancários do Norte (SBN) e o Sindicato Independente da Banca (SIB) alcançaram um acordo com o Grupo BCP para a revisão da tabela salarial para 2020, no processo de revisão do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), anunciam as estruturas sindicais, em comunicado.

O acordo alcançado garante, nos seus termos fundamentais, a atualização de 0,3% da tabela salarial, das pensões de reforma e das pensões de sobrevivência; a atualização de 0,8% das diuturnidades que passam a ter um valor unitário de 41,63 euros; a atualização de 1,04 % do subsídio de refeição, passando a ter o valor diário de 9,75 euros; a atualização de 6,67% do subsídio de nascimento, que passa para 800 euros, e a atualização de 0,8% das demais cláusulas com expressão pecuniária, como o subsídio de trabalhador-estudante, seguro de acidentes pessoais, indemnização por morte em viagem/resultante de acidente de trabalho, subsídio infantil, subsídio trimestral de estudo e valor máximo do crédito à habitação.

Na globalidade, desta revisão, que terá efeitos retroativos desde 1 de janeiro de 2020 (com exceção das ajudas de custo e da remuneração do trabalho suplementar), resulta um aumento superior ao valor da inflação de 2019, mas houve uma suspensão do processo negocial resultado da pandemia da Covid-19.

As negociações foram retomadas em maio, “por iniciativa e persistência dos sindicatos”, sendo que, no desenvolvimento das mesmas, foi dada prioridade à negociação da atualização para 2020 da tabela salarial, das pensões de reforma, das pensões de sobrevivência e das cláusulas de expressão pecuniária.

Além da atualização salarial para 2020, “os três sindicatos conseguiram garantir ainda uma compensação quanto à revisão de 2019, consagrando uma percentagem de atualização de 0,3% da tabela salarial, das pensões de reforma e das pensões de sobrevivência e prevê uma percentagem de atualização de 0,8% quanto às diuturnidades e outras cláusulas de expressão pecuniária”, lê-se no comunicado.

Recorde-se que o Grupo BCP não procedeu à atualização das diuturnidades e outras cláusulas de expressão pecuniária em 2019 e, “apesar dos sindicatos não se terem oposto a que o BCP aplicasse aos seus associados a atualização que definiu para 2019 (para que estes não fossem lesados ou discriminados) o processo negocial não foi, na altura, dado como terminado e os sindicatos sempre insistiram para que essa situação fosse devidamente corrigida e compensada em 2020”, destacam os sindicatos.

Ler mais
Recomendadas

Linha de apoio a micro e pequenas empresas disponível a partir desta quarta-feira

Para se poderem candidatar, as empresas terão de apresentar uma quebra abrupta e acentuada de pelo menos 40% da sua faturação, e não poderão ter beneficiado das anteriores linhas de crédito com garantia mútua. A SPGM avisa que as empresas em dificuldades não podem ter sede em países ou regiões com regime fiscal mais favorável (‘offshore’)”.

Crédit Agricole convidado para colocar as mais recentes emissões sindicadas de obrigações do tesouro

O Crédit Agrícole emitiu um comunicado onde faz o balanço do seu papel na economia portuguesa, onde está presente através da GNB Seguros com 75%; da Eurofactor e do Banco Credibom. Para além de ter ajudado a colocar dívida do Estado português.

Aumento da margem financeira, dos depósitos e número de contas impulsiona rendimentos do Banco CTT

Apesar do atual estado da economia e dos efeitos da pandemia, o Banco CTT registou um crescimento de 63%, para 38,4 milhões de euros, nos rendimentos do primeiro semestre de 2020. O banco registou 2,9 mil pedidos de moratórias, expondo um total de 66,6 milhões de euros, o que representa “cerca de 7% do total da carteira bruta de crédito” da instituição bancária.
Comentários