Sindika Dokolo: Da pena de prisão à acusação de ‘complot’. Polémicas do empresário e colecionador de arte congolês

Sindika Dokolo, empresário e colecionador de arte congolês, morreu no Dubai, quando praticava mergulho, esta quinta-feira. Para trás ficam alguns episódios polémicos, quase todos relacionados com Isabel dos Santos.

O empresário e colecionador de arte, Sindika Dokolo, tinha 48 anos e nasceu na atual República Democrática do Congo. Em 2002 casou-se em Luanda com Isabel dos Santos, filha do ex-presidente de Angola José Eduardo dos Santos. O empresário envolveu-se em alguns episódios polémicos que, por vezes, coincidiram também com as acusações a Isabel dos Santos no âmbito dos Luanda Leaks.

Sindika, dono de uma das mais importantes coleções de arte contemporânea africana (que conta com três mil obras), era filho de pai congolês e de mãe dinamarquesa, tendo dividido a sua infância entre Bélgica e França. Frequentou o Lycée Saint-Louis-de-Gonzague em Paris, onde concluiu o nível secundário, e licenciou-se em Economia, Comércio e Línguas Estrangeiras na Universidade Pierre e Marie Curie. Em 1995, Sindika decidiu voltar para o antigo Zaire para assumir os negócios de família que totalizavam 17 empresas em atividades tão diversas como banca, pecuária, pesca, exportação de café, imobiliário, transporte de mercadorias, seguros e mineração entre outras.

Condenado a 1 ano de prisão

A 17 de julho de 2017, Sindika Dokolo, empresário e colecionador de arte congolês, e também genro de José Eduardo dos Santos, foi condenado a um ano de prisão, no âmbito de um processo imobiliário. O marido de Isabel dos Santos acusou o Presidente da República Democrática do Congo, Joseph Kabila, pela condenação, denunciando o caso no Twitter, precisamente depois de inaugurar em Luanda, na quarta-feira, um nova fábrica de cimento do grupo que lidera, a Cimangola. “Quando inauguro uma fábrica de 400 milhões de dólares [cimenteira em Luanda], JKabila [Joseph Kabila] faz-me condenar a um ano de prisão por um bocado de terra. Senhor Kabila! Vai-se perder na sua Justiça”, escreveu Dokolo nesta rede social.

Segundo a imprensa local, Sindika Dokolo foi condenado à revelia por fraude imobiliária por um tribunal de Kinshasa. Noutro tweet, o empresário congolês voltou a atacar a condenação. “Investi 400 milhões de dólares numa fábrica. Querer condenar-me por roubar um milhão [de dólares] não é credível”, publicou.

Congelamento de contas

No início de janeiro de 2020, o congelamento das contas bancárias de Sindika Dokolo em diversas empresas também arrestadas pelo Tribunal Provincial de Luanda, levou o presidente da República Democrática do Congo a alertar para as graves consequências destas medidas. “Pressionado internamente, ele veio exercer aquilo a que em termos de direito internacional, se chama proteção diplomática de um seu cidadão cujos interesses foram afetados por uma decisão de um Estado estrangeiro”, revelou na altura ao Expresso fonte diplomática de Angola.

Investigação por branqueamento de capitais

O semanário “Expresso” noticiou, no início deste ano, que a empresária Isabel dos Santos estava a ser investigada pelas autoridades do Mónaco pelo crime de branqueamento de capitais, tal como o seu pai, o ex-presidente de Angola José Eduardo dos Santos, e o seu marido, o empresário congolês Sindika Dokolo. Segundo o “Expresso”, “as investigações poderão vir a estender-se a outros familiares, amigos e colaboradores mais próximos que, de forma direta ou indireta, com eles estiveram envolvidos em negócios”, sendo citado na notícia um oficial dos serviços de investigação criminal de Angola que acompanha o caso em colaboração com a Interpol. A investigação das autoridades do Mónaco foi motivadas pela deteção de quantias elevadas depositadas em instituições financeiras no principado.

Sindika acusa Rui Pinto e João Lourenço de complot

A 19 de janeiro deste ano, e em pleno escândalo do Luanda Leaks, Sindika Dokolo saiu em defesa de Isabel dos Santos e acusou o ‘hacker’ português de ser o braço armado do ‘complot’, em declarações ao RFI. Além de Rui Pinto, Dokolo defendeu que João Lourenço, presidente de Angola, e Manuel Vicente, antigo vice-presidente de Angola, também faziam parte deste ‘complot’ dos Luanda Papers. O Luanda Leaks é uma investigação de um consórcio internacional de jornalistas de investigação (ICIJ), que sugere que Isabel dos Santos beneficiou de imensas oportunidades derivadas de Eduardo dos Santos, antigo presidente de Angola e pai de Isabel dos Santos, enquanto dirigiu o país, e mostra como Isabel dos Santos construiu fortuna à custa do Estado de angola.

Ler mais
Relacionadas

Morreu Sindika Dokolo, marido da empresária Isabel dos Santos

O empresário congolês encontrava-se no Dubai, onde Isabel dos Santos havia postado uma fotografia na sua conta pessoal de Instagram na tarde desta quinta-feira.

Sindika Dokolo, um homem entre Kinshasa e o Porto

Nasceu no Congo, viveu a juventude na Europa e casou em Angola. Pela mão de Isabel dos Santos, a sua mulher, acabaria por reconhecer em Portugal, mais propriamente no Porto, o lugar certo para fazer descansar de tantas viagens a sua enorme coleção de arte.
Recomendadas

Congresso dos Estados Unidos ainda tem cinco incógnitas um mês depois das eleições

Dois lugares no Senado serão decididos numa segunda volta, marcada para 5 de janeiro, enquanto a Câmara dos Representantes aguarda por um duelo entre dois republicanos e pelas batalhas judiciais que devem ser travadas por dois candidatos democratas que ficaram a um punhado de votos das vencedoras. Elevado número de boletins enviados pelo correio atrasou escrutínio sobretudo nos estados da Califórnia e de Nova Iorque.

Covid-19: França registou 313 mortes num dia

O número de novos casos diários no país foi de 14.064 nas últimas 24 horas, uma subida face aos números dos dois dias anteriores, tendo sido já confirmados 2.244.635 casos de covid-19 em França desde o início da pandemia.

“Donald Trump quer um acordo para não ser acusado”, diz ex-porta-voz Scaramucci

Num painel da Web Summit, o ex-porta-voz que se tornou crítico disse que Donald Trump quer causar “tanto estrago quanto humanamente possível” para conseguir um acordo de imunidade. Estrategas dos dois lados do espectro político disseram que a reação Trump aos resultados tem causado distração desnecessária.
Comentários