Singapura rouba título de economia mais competitiva do mundo aos Estados Unidos

Relatório do World Economic Forum coloca ainda no ‘top três’ Hong Kong. A pressionar a queda dos Estados Unidos para segundo lugar está a maior incerteza dos líderes empresariais.

A incerteza empresarial e a abertura comercial penalizou os Estados Unidos, que caíram para o segundo lugar no ‘ranking’ global de competitividade da economia. No relatório do World Economic Forum (WEF) deste ano, Singapura lidera a avaliação com 84,8 pontos, justificada pela melhor posição nos critérios de infraestruturas, saúde, mercado laboral e sistema financeiro.

“Singapura é o país mais próximo da fronteira [da competitividade]. Entre as grandes economias, os Estados Unidos estão em primeiro lugar e continuam a ser uma potência de inovação. Entre os BRICS, a China ocupa a melhor posição”, explica o WEF, acrescentando que “os lugares mais baixos do ranking são ocupados por economias africanas que ainda não cruzaram a fronteira”.

Num retrato global, o terceiro lugar pertence a Hong Kong, o quarto lugar à Holanda e a o quinta lugar à Suiça.  Os resultados deste ano apontam que a pontuação média das 141 economias analisadas é de 60,7, o que significa que a ‘distância da fronteira’ é de quase 40 pontos.

A pressionar a queda dos Estados Unidos para segundo lugar está a maior incerteza dos líderes empresariais, que se reflete em nove das 12 categorias analisadas, entre as quais a concorrência nacional (menos seis pontos do que em 2018) e na abertura comercial (menos quatro pontos do que no ano passado). Por outro lado, lidera a inovação e mantém-se como tendo um dos sistemas financeiros mais dinâmicos do mundo.

Portugal mantém 34º lugar 

Portugal manteve o 34º lugar, alcançando 70,4 pontos, com o setor da implementação das tecnologias da informação e comunicação a registar a maior subida de pontuação e o mercado do produto a maior descida.

O relatório melhora a pontuação global de Portugal em 0,2 pontos apesar de manter a posição no ranking. A categoria de implementação de tecnologias da informação e comunicação registou a maior subida (4,1 pontos), alcançando 71,2 pontos e o 34º lugar a nível global.

Em contra-ciclo, o mercado do produto registou a maior queda (2,2 pontos), tendo 59,7 pontos e ocupando o 39º lugar a nível mundial. Também o mercado laboral registou uma pior performance, ao perder 1,5 pontos para 63,2 pontos e o 49º lugar.

Ainda assim, a categoria na qual Portugal regista melhor pontuação é a saúde (94 pontos e o 22º lugar), seguido pela ‘estabilidade macro-economica’ que manteve 85 pontos e ocupada o 62º lugar a nível global.

Ler mais
Recomendadas

Guerra comercial: Durão Barroso diz que na hora da escolha, Europa optaria pelos Estados Unidos

Antigo presidente da Comissão Europeia explicou que apesar do maior dinamismo da relação entre a União Europeia e a China, a relação económica e geopolítica com os Estados Unidos continua a pesar mais.

Boris Johnson ameaça recuar na proposta do Brexit e convocar eleições antecipadas em caso de chumbo

Frustrado com o impasse interminável do Brexit, o governo britânico ameaçou que, caso a proposta seja chumbada mais uma vez, que retirará a moção relativa ao Brexit e avançará para eleições antecipadas previstas para antes do Natal. “De forma alguma vou permitir meses mais disto”, afirmou Boris Johnson.

Instagram elimina fotografias de um cozido galego por “violência gráfica”

Tudo aconteceu após um comensal galego postar fotos de uma refeição para celebrar o “primeiro cozido da temporada” durante o almoço do domingo. A meio da tarde, o gastrónomo teve uma surpresa por parte da rede social.
Comentários