Site da Eurovisão atacado por piratas informáticos na noite de Conan Osiris

No site do festival da Eurovisão da canção foram colocadas imagens de explosões na cidade de Tel-Aviv, que recebe o evento. A emissora nacional já atribuiu este ataque ao Hamas, embora o grupo islâmico não tenha feito comentários até ao momento.

O site do festival da Eurovisão da canção foi alvo de um ataque por piratas informáticos na terça-feira enquanto decorria a primeira meia-final do evento, revela esta quarta-feira a agência “Reuters”.

O site foi invadido por imagens de explosões na cidade de Tel Aviv, que recebe o evento, sendo que este acidente não afetou a transmissão do programa na terça-feira à noite em Israel ou no exterior.

A primeira meia-final teve a atuação do português Conan Osíris, com a canção “Telemóveis”, mas o músico não obteve os votos suficientes para se qualificar para a grande final. A segunda meia-final irá decorrer na quinta-feira.

A organização do festival da competição de música atribuiu estes ataques ao grupo islâmico Hamas, para protestar contra as políticas israelitas. O Hamas que controla a Faixa de Gaza, não fez qualquer comentário até ao momento.

A emissora nacional “Kan”, através do seu CEO, Eldad Koblenz referiu que ” sabemos que a certa altura houve uma tentativa, aparentemente do Hamas, de controlar a nossa transmissão digital”, mas “estou feliz em dizer que em poucos minutos conseguimos assumir o controlo sobre esse fenómeno”.

Os palestinos e os seus apoiantes estrangeiros pediram, até agora, que os países evitem o festival da Eurovisão em Tel Aviv como parte de esforços mais amplos para isolar Israel internacionalmente. Muitas ligações de boicote têm como alvo a cantora Madonna, que chegou a Israel na terça-feira, como convidada para atuar na final de sábado. Madonna já veio a público assumir que “nunca deixará de cantar para se adequar à agenda política de alguém”.

Ler mais
Recomendadas

Rede social Snapchat vai deixar de promover mensagens de Donald Trump

A empresa da rede social Snapchat, popular entre os jovens, acusou o Presidente dos EUA de incitar à “violência racial”, anunciando que deixará de promover as mensagens da conta de Donald Trump.

Boris Johnson deixa recado a Trump: “Racismo não tem lugar nas nossas sociedades”

O racismo “não tem lugar nas nossas sociedades”, afirmou esta quarta-feira o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, numa “mensagem” dirigida ao Presidente norte-americano, Donald Trump, na sequência da morte do afro-americano George Floyd, que desencadeou uma onda de indignação global.

António Guterres: “É imperativo que o mundo seja reconstruído e redesenhado”

O secretário geral da ONU defendeu, na apresentação do próximo Fórum Económico Mundial, o reequilíbrio do investimento em ciência e tecnologia.
Comentários