SNESup apresenta no Parlamento proposta de pré reformas a partir dos 60 anos no ensino superior

Como O Jornal Económico avançou em primeira mão, o rejuvenescimento do corpo docente é uma das propostas que o Sindicato Nacional do Ensino Superior apresenta, esta tarde, aos partidos com assento parlamentar com o objetivo de que possa vir a ser incluída no OE2021. A valorização remuneratória e o financiamento das instituições públicas são outros temas.

Gonçalo Leite Velho

Gonçalo Leite Velho, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup) apresenta esta quarta-feira, 11 de novembro, nas Comissões de Orçamento e Finanças e de Educação, Ciência, Juventude e Desporto, um pacote de propostas de alteração ao Orçamento do Estado 2021 para o ensino superior e a ciência.

Como O Jornal Económico noticiou em primeira mão, o SNESup desenhou um plano que permitiria o rejuvenescimento do corpo docente do ensino superior. Universidades e politécnicos estão envelhecidos, enquanto milhares de jovens doutorados aguardam por uma oportunidade de carreira na docência. O problema, com dupla face, atinge um total de mais de 11 mil pessoas e obstaculiza a renovação da academia e, por extensão, do país.

O SNESup propõe como solução que “o mecanismo de pré-reformas que está a ser desenhado pelo Governo se aplique aos docentes das universidades e politécnicos a partir dos 60 anos de idade. A proposta que apresentamos, prevê ainda que, caso pretendam, estes docentes possam reduzir o seu horário de trabalho para metade”.

Gonçalo Leite Velho estará em audição conjunta nas Comissões de Orçamento e Finanças e a de Educação, Ciência, Juventude e Desporto. Aí explicará aos deputados a necessidade de reforçar a valorização remuneratória dos docentes do ensino superior. “Todos sabemos que as limitações ao crescimento da despesa salarial têm vindo a criar graves constrangimentos à progressão horizontal dos docentes do ensino superior público, com a implementação de um sistema injusto, cuja interpretação realizada pelas instituições é a de que apenas obriga a alteração obrigatória de posicionamento remuneratório a obtenção de menção máxima por seis anos consecutivos”. Solução?

O SNESup propõe que “estas valorizações sejam retiradas dos atuais limites e que se proceda ainda à publicação do despacho conjunto previsto nos estatutos de carreira docente universitário e do ensino superior politécnico”.

Gonçalo Leite Velho alertará também os deputados para a necessidade de atacar o problema de fundo que é o subfinanciamento do ensino superior que tem insistentemente vindo a repetir nos últimos anos. “Temos conhecimento das falhas resultantes deste quadro de subfinanciamento e que prejudicam a prática pedagógica e a investigação e que resulta, também, num desequilíbrio territorial, acentuando disparidades entre o interior e o litoral”.

E exemplificará: “são recorrentes situações como a falta de aquecimento no inverno, ou o encerramento das instalações durante os períodos do verão. Em muitas instalações não é realizada a manutenção necessária, que implica despesas limitadas, como, por exemplo, a mera reparação de coberturas ou de revestimentos das paredes exteriores, com a consequente degradação dos edifícios e aumento exponencial do valor de despesas de recuperação a fazer no futuro”. Isto é sobretudo relevante nos edifícios mais antigos.

O SNESup propõe que no próximo ano, para as instituições de ensino superior que este ano viram a necessidade do reforço de verbas, “seja incluído em orçamento privativo a inclusão do montante igual ao reforço identificado como necessário, sendo o mesmo pago com receita proveniente de transferência da Administração Central”.

Ler mais
Recomendadas

Torres Vedras vai ter ensino superior em saúde. Polo abre no próximo ano com mestrado em Enfermagem Médico-cirúrgica

O antigo edifício dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento da cidade torreense vai albergar o novo polo do IPLeiria, considerado de grande importância para a escolha da localização do futuro Hospital do Oeste.

Colégios privados reservam-se ao direito de darem aulas online durante pontes dos feriados

A Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo (AEEP) emitiu um comunicado a esclarecer que os colégios privados estão no seu direito de darem aulas online nos dias que antecedem os feriados, apesar da proibição das escolas abrirem fisicamente.

UAveiro impulsiona mudança de hábitos e distribui 239 bicicletas a alunos, professores e funcionários

O projeto, pioneiro em Portugal, é lançado esta segunda-feira, 23 de novembro, e, segundo o reitor Paulo Jorge Ferreira, permite que se façam menos 16 mil quilómetros de carro. Um contributo para um ar mais limpo.
Comentários