SNQTB intervém para garantir pensão de reforma a ex-bancários do BBVA

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB), “no âmbito da sua intervenção para garantir o cumprimento do ACT do setor bancário e das demais convenções coletivas, interveio pelos ex-trabalhadores do BBVA quando estes viram ser recusada a atribuição da pensão de reforma por todo o tempo de serviço prestado”, diz o presidente do sindicato dos quadros.

Cristina Bernardo

“Foi com manifesta surpresa e desagrado, que tivemos conhecimento do pedido de ex-bancários do BBVA que reclamaram junto desta instituição a pensão de reforma, a que tinham direito nos termos do ACT [Acordo Colectivo de Trabalho], e cuja pensão foi reiteradamente recusada de forma abusiva e sem qualquer fundamento válido, causando um manifesto prejuízo a ex-bancários que já se encontram numa situação de clara fragilidade”, referiu em comunicado o presidente do SNQTB, Paulo Gonçalves Marcos.

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB), “no âmbito da sua intervenção para garantir o cumprimento do ACT do setor bancário e das demais convenções coletivas, interveio pelos ex-trabalhadores do BBVA quando estes viram ser recusada a atribuição da pensão de reforma por todo o tempo de serviço prestado”, refere o sindicato liderado por Paulo Gonçalves Marcos.

“É lamentável que o direito destes trabalhadores, tenha vindo a ser reconhecido apenas após intervenção do Sindicato e da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundo de Pensões. Esta situação deverá ser um alerta para todos os ex-bancários que se encontrem na mesma situação e que, por manifesta interpretação abusiva, vejam recusado um direito essencial e básico, como seja a atribuição de uma pensão de reforma por todo o tempo de serviço prestado”, defende Paulo Gonçalves Marcos.

O SNQTB relembra ainda que, no caso particular dos bancários abrangidos pelo fundo de pensões constituído pelos bancos, parte do pagamento dessa pensão será responsabilidade do próprio fundo, qualquer que seja o motivo dessa cessação do contrato, “pois trata-se de um direito inalienável”.

O Sindicato dos Quadros da banca recorda que na última década tem-se assistido a inúmeras reestruturações no setor bancário, que têm levado à perda sucessiva de postos de trabalho, “por despedimento coletivo, extinção de postos de trabalho ou através das designadas RMA’s (rescisões por mútuo acordo) sendo que um universo alargado destes trabalhadores já não regressará ao setor bancário”.

No entanto, estes ex-bancários “mantêm o pleno direito, à semelhança de qualquer outro trabalhador, à atribuição de uma pensão de reforma por todo o tempo de serviço prestado e devido, assim que estiverem reunidos os pressupostos para o efeito, quer se trate de uma reforma por velhice, invalidez ou por desemprego de longa duração”, diz o presidente do sindicato.

 

Ler mais
Recomendadas

Covid põe cheques e levantamentos em dinheiro em mínimo de 20 anos. Compras com cartões em mínimo de 11 anos

Em abril, a redução do uso de cheques rondou os 45% em número e 48% em montante, face ao período homólogo, e as operações com cartões recuaram  42,9% em número e 28,8% em valor. A pandemia trouxe ainda o aumento dos pagamentos contactless e uma quebra dos levantamentos em dinheiro.

Imparidades do Novo Banco desaceleraram depois da venda à Lone Star

O Novo Banco constituiu menos novas imparidades depois da venda à Lone Star. O ano em que o banco constituiu maior volume de imparidades foi em 2017, ano da venda ao fundo norte-americano.

Marques Mendes diz que os quatro contratos da venda do Novo Banco devem ser tornados públicos

“Há pelo menos quatro contratos, quatro documentos contratuais envolvendo o Estado, a União Europeia, a Lone Star e o Fundo de Resolução, e se fosse possível, devia-se torná-los todos públicos.  [Porque] quando há dinheiros públicos, deve ser tornado público. Há quatro contratos e há pelo menos um que é mais importante que o contrato de compra e venda”, disse o comentador político.
Comentários