“Soldado do futuro”. Governo vai investir 171 milhões de euros em equipamento militar

O maior esforço financeiro na preparação do “soldado do futuro” deverá notar-se entre os anos de 2019 e 2022, quando estão previstos gastos de 74,8 milhões de euros,

O Governo vai investir cerca de 171 milhões de euros na compra de equipamento militar para o chamado “soldado do futuro”, tal como está previsto na Lei de Programação Militar para o período entre 2019 e 2030, noticia o “Correio da Manhã” esta quinta-feira.

A nova lei de compras para as forças armadas prevê a medida de “Proteção e Sobrevivência da Força Terrestre” e tem por objetivo criar mais condições de sobrevivência aos militares em cenário de operações de risco.  Assim, a verba destina-se à aquisição de uniformes, material de proteção e sistemas de comunicação.

Entre o material previsto para aquisição estão capacetes balísticos, óculos de proteção, proteção maxilofacial, colete balístico, cotoveleiras de kevlar, luvas de proteção, relógio ou monitor fisiológico no pulso e espingarda automática.

O maior esforço financeiro na preparação do “soldado do futuro” deverá notar-se entre os anos de 2019 e 2022, quando estão previstos gastos de 74,8 milhões de euros, do ‘bolo’ de 171 milhões, na compra de equipamentos.

Recomendadas

Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.

Alterações climáticas: Lisboa ameaçada por cheias, seca, subida do nível do mar e calor excessivo

“A erosão continua, o calor excessivo aumenta, a seca meteorológica vai aumentar na zona de Setúbal e as cheias vão atacar o Tejo”, especialmente na região em que o Governo está a planear construir o aeroporto do Montijo, alerta especialista.

PremiumEx-secretário de Estado orienta reestruturação financeira do CDS-PP

Leonardo Mathias, antigo ‘número dois’ de Pires de Lima, foi escolhido para resolver situação financeira do CDS-PP. Tem como missão colocar a dívida em níveis geríveis, afastando-a o máximo que possível dos dois milhões.
Comentários