Sonae Capital com prejuízo líquido de 12,3 milhões devido a efeito contabilístico da venda da RACE

O impacto ‘non-cash’ da venda da Race e a ausência de vendas significativas de Activos Imobiliários sobrepuseram-se a uma subida de 46,5% do volume de Negócios das Unidades de Negócio e um crescimento de 9,9% no EBITDA. Board vai propor dividendo de 6 cêntimos por ação, equivalente a um ‘dividend yield’ de 8%.

A Sonae Capital registou um prejuízo de 12,3 milhões de euros em 2019, com o efeito contabilístico non-cash da venda da participação na RACE em novembro a superar o desempenho operacional positivo, afirmou a empresa este domingo, em comunicado.

“O resultado líquido evoluiu de forma negativa, impactado pelo reconhecimento de uma menos-valia relacionada com a alienação da RACE e pela ausência de vendas significativas de ativos imobiliários sobre os quais, no entanto, mantemos boas perspectivas de curto-prazo”, afirmou Miguel Gil Mata, citado no comunicado divulgado no site da CMVM:

A empresa afirmou que excluindo este efeito, a evolução do resultado líquido teria sido positiva face ao ano anterior, quando o valor registado um prejuízo de 6 milhões de euros, mas não quantificou essa evolução.

A Sonae Capital recordou que “implementou de forma bem-sucedida a estratégia de gestão activa do seu portefólio, investindo nas aquisições da comercializadora de energia Futura Energía Inversiones, da cadeia de ginásios Urban Fit e da exploração do hotel Aqualuz Lagos, bem como realizando a alienação do negócio de Refrigeração e AVAC, a RACE”.

O volume de negócios consolidado atingiu 300 milhões de euros em 2019, registando um crescimento de 27,3% face ao ano anterior. O volume de Negócios das Unidades de Negócio situou-se em 269 milhões de euros, valor que traduz um aumento de 46,5% em relação ao ano anterior, adiantou, realçando o crescimento de dois dígitos nos segmentos de Hotelaria e Fitness e de três dígitos no segmento de Energia (dada a integração da Futura Energía Inversiones).

Em sentido contrário, na unidade de Ativos Imobiliários, o volume de negócios tombou 32% para 40,52 milhões de euros.

Em termos operacionais, o EBITDA das unidades de Negócio cresceu 8,9% para 35,3 milhões e na unidade de Ativos Imobiliários aumentou 17,3%, para 10,1 milhões. “Esta forte melhoria da rentabilidade operacional traduziu-se num EBITDA consolidado de 38,1 milhões , o qual representou um crescimento de 9,9% face a 2018”.

A empresa adiantou que o Conselho de Administração irá propor a distribuição de dividendos no valor de 15 milhões de euros, equivalentes a um dividendo ilíquido de 0,060 euros por ação. Explicou que o dividendo corresponde a um dividend yield de 8% relativamente à cotação de fecho do dia 31 de dezembro de 2019 (que se fixou em 0,753 euros).

Ler mais
Relacionadas

Sonae Capital vende participação que detinha na RACE por 15,8 milhões de euros à SKK

O preço da operação, que totaliza 15,8 milhões de euros, tem uma compenente fixa de sete milhões e uma componente variável de 8,8 milhões de euros. A Sonae Capital explicou em comunicado que “esta transação enquadra-se na estratégia de gestão activa de portefólio da Sonae Capital, enquanto holding de investimento”.
Recomendadas

Executivo ultima propostas para apoiar os media, mas falta consenso no setor

Media vão receber apoios estatais para enfrentar crise gerada pela pandemia da Covid-19. Governo anuncia apoios “em breve”.

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

A edição digital do Jornal Económico vai estar disponível gratuitamente durante as próximas semanas, devido à situação de emergência nacional causada pela epidemia de Covid-19. Desta forma, todos os leitores continuarão a ter acesso ao Jornal Económico.

Bloco de Esquerda pergunta ao Governo se vai impedir distribuição de dividendos da Galp

O Bloco defende que a distribuição de dividendos pela Galp deve ser travada pelo Governo e que o dinheiro deve servir para ajudar a empresa a retomar a sua produção nas refinarias de Sines e Matosinhos depois do fim da crise provocada pela Covid-19.
Comentários