PremiumSonae falha venda em bolsa do Continente

Grupo desistiu da Oferta Pública de Venda das ações da unidade de retalho, devido ao falhanço da colocação junto de institucionais. Segundo fontes do mercado contatadas pelo Jornal Económico, a Sonae mantém a intenção de colocar a unidade de retalho em bolsa.

A Oferta Pública de Venda (OPV) da Sonae MC morreu apenas quatro dias depois de ter começado. O grupo não conseguiu concretizar uma colocação particular junto de investidores institucionais, que era uma das componentes da oferta de ações. A explicar o falhanço da operação está a turbulência nos mercados financeiros internacionais, segundo a Sonae.

“A Sonae SGPS, S.A. informa que, face às condições adversas nos mercados internacionais, a oferta institucional não se concretizará, o que determinará, consequentemente, a não execução da oferta pública de venda de ações da Sonae MC”, explicou a empresa, em comunicado divulgado no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). É a primeira vez, desde o fracasso da entrada em bolsa da Mota Engil África (em Londres, em 2014, pelas mesmas razões) que uma empresa portuguesa desiste de uma OPV.

Segundo fontes do mercado contatadas pelo Jornal Económico, a Sonae mantém a intenção de colocar a unidade de retalho em bolsa, mas não prevê que o ambiente nos mercados melhore nos próximos tempos, o que deixa o tema em suspenso indefinidamente. Em todo o caso, se a Sonae quiser retomar a dispersão em bolsa, terá de dar início a um novo processo, com as consequentes exigências regulatórias e financeiras.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Sonae falha entrada em bolsa do negócio de retalho

Sonae cancelou Oferta Pública de Venda das ações da unidade de retalho do grupo, devido ao falhanço da colocação junto de investidores institucionais, que era uma condição essencial à concretização da entrada em bolsa.

PremiumCorrida por oferta curta e atrativa. Como a Sonae MC pode chegar ao preço máximo da OPV

O preço das ações da Sonae MC será determinado pela procura, que os analistas antecipam ser elevada entre investidores de retalho nacionais. No entanto, poderá haver fatores que levem a um desconto nos títulos da empresa.
Recomendadas

IKEA vai investir em novas lojas em Portugal: margem sul do Tejo, Cascais e Sintra

A multinacional sueca pretende abrir lojas de pequena dimensão em Sintra, Cascais e a sul de Lisboa, assim como centros de encomendas, de planeamento e de levantamento.

Sonae quer abrir até 60 lojas Continente Bom Dia até 2021

Para apostar na abertura de novas lojas, a Sonae prevê um investimento acumulado entre 260 a 280 milhões de euros, sendo que para a manutenção da atual rede de hiper e supermercados e outros espaços lojistas o grupo poderá empregar cumulativamente até aproximadamente 445 milhões de euros nos próximos dois anos.

Sonae MC concluiu ‘sale and lease back’ de imóveis e ganhou 10,9 milhões

Esta operação totalizou 24,4 milhões de euros e gerou um ganho de capital estimado de 10,9 milhões de euros, refere a Sonae que adianta que “o nível de detenção de ativos de retalho (freehold) da Sonae MC passou a situar-se em 43%”.
Comentários