Sondagem da RTP para as eleições legislativas projeta vitória do PS com 39%

A sondagem foi realizada pela Universidade Católica para a RTP no dia de hoje, entre os votantes nas eleições europeias. Liderança clara para o PS com 39% das intenções de voto, seguindo-se o PSD com 25%, o BE com 9%, a CDU com 8%, o CDS-PP com 6% e o PAN com 4%.

Se as eleições legislativas tivessem sido realizadas hoje, o PS seria o vencedor com 39% dos votos. É essa a principal projeção de uma sondagem realizada hoje pela Universidade Católica para a RTP, entre os votantes nas eleições europeias.

Embora o PS ficasse muito aquém de uma maioria absoluta na Assembleia da República, esta sondagem aponta para uma grande diferença (14 pontos percentuais) em relação ao segundo classificado, o PSD, com 25% das intenções de voto.

De acordo com a mesma sondagem, o BE seria o terceiro partido mais votado, com 9%, seguindo-se a CDU com 8%, o CDS-PP com 6% e o PAN com 4%. A confirmar-se, o PAN teria mais do triplo da votação que conseguiu em 2015, quando elegeu apenas um deputado.

Em comparação com os resultados das eleições legislativas de 2015, destaca-se a putativa subida do PS (de 32% para 39%), a par da queda do PSD e do CDS-PP (em coligação obtiveram cerca de 38% em 2015, baixando agora para 25% + 6%, totalizando 31% em conjunto).

Recomendadas

CGD: Faria de Oliveira confirma que ex-gestores preparam queixa contra auditoria da EY

Queixa de ex-gestores da CGD contra a EY por causa dos alegados erros e incorreções na auditoria de gestão poderá dar entrada na CMVM, confirmou ex-presidente do banco público no Parlamento. Faria de Oliveira já tinha considerado que relatório “enviesado”, “viciado” e “descuidado”. E, diz, que antigos administradores querem “verificação da consistência” da auditoria.

Faria de Oliveira: “Banco de Portugal não questionou” CGD sobre projeto La Seda

Antigo presidente da CGD avançou no Parlamento que o banco público “não sentiu necessidade de partilhar” as preocupações quando ao crédito concedido a  à empresa catalã. Nem o Banco de Portugal questionou a Caixa sobre o assunto numa altura em que já havia indicação de problemas relativos ao crédito concedido à La Seda que resultou em perdas de 211 milhões de euro para o banco.

“Obrigação de defender estabilidade financeira” ditou decisão de não executar garantias de Berardo, diz Faria de Oliveira

A estabilidade do sistema financeiro português ditou que a  Caixa Geral de Depósitos (CGD) não tivesse executado as garantias do empréstimo dado a José Berardo (acções do BCP), rebatendo o argumento do empresário madeirense de que se a Caixa tivesse vendido as acções do BCP não tinha perdido nada na sequência do crédito de 350 milhões, apontado pela auditora EY como um dos mais ruinosos para o banco público.
Comentários