Sondagem: PS mais longe do PSD, mas governo tem avaliação negativa

O PS regista a intenção de voto de 40,2%, contra os 27,9% dos PSD. No entanto, O governo, como um todo, é avaliado positivamente por 32,7% dos inquiridos, enquanto 33,2% lhe dão nota negativa.

Se as eleições fossem hoje, o Partido Socialista conseguiria o voto de 40,2% dos portugueses, segundo os dados da sondagem realizada pela Eurosondagem para a SIC e o Expresso.

Este resultado representa uma subida de 0,2% em relação à última sondagem, realizada em novembro, na qual os socialistas tinham caído dos 41% obtidos em outubro para 40%.

Em ligeira queda está o PSD, que com 27,9%, perde 0,5% das intenções de voto em relação a Novembro. Embora de forma menos acentuada, Bloco de Esquerda e PCP também estão a perder apoio dos portugueses. Os 8,6% dos bloquistas e os 7% dos comunistas representam uma descida de 0,1%.

À exceção do partido do governo, só mesmo o CDS conseguiu conquistar mais intenções de votos, com 6,9%, mais 0,3% que os registados em novembro.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, continua a ser o político mais popular, com um saldo de popularidade de 63%. Só metade dos inquiridos avalia a prestação do primeiro-ministro António Costa como positiva, mais 32,6% dos que a consideram negativa. A líder do CDS/PP, Assunção Cristas, merece a aprovação de 38,8% dos inquiridos, apenas mais 7,6% dos que a avaliam negativamente. Passos Coelho, Jerónimo de Sousa e Catarina Martins têm saldos de popularidade ainda mais reduzidos, com 5,9%, 4,8% e 3,4%, respetivamente.

O governo, como um todo, é avaliado positivamente por 32,7% dos inquiridos, enquanto 33,2% lhe dão nota negativa.

Ler mais
Recomendadas

Tancos: PSD e CDS admitem questionar primeiro-ministro sobre memorando

Memorando com informação sobre operação de encobrimento das armas roubadas foi entregue há uma semana pelo ex-chefe de gabinete do ex-ministro da Defesa, Azeredo Lopes, ao Ministério Público, segundo noticia o Expresso.

Ministro do Ambiente revela que Pedro Siza Vieira está a tratar de matérias da Energia apesar de ter pedido escusa

Em entrevista ao jornal “Público”, João Matos Fernandes diz que o relatório do grupo de trabalho sobre a fiscalidade na Energia está a ser conduzido por Siza Vieira, ministro Adjunto e da Economia que há cinco meses tinha pedido escusa de intervir em matérias relacionadas com o setor da Energia, devido a um conflito de interesses e “dúvidas sobre a sua imparcialidade”.

Marcelo deu posse a Nunes da Fonseca como Chefe do Estado-Maior do Exército

Estiveram presentes na cerimónia o novo ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, a nova secretária de Estado da Defesa Nacional, Ana Santos Pinto, e o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Silva Ribeiro.
Comentários