Sondagem SIC/Expresso: PS mais votado, mas é o que mais desce no Verão

O PS parte para o último ano da legislatura a cair nas intenções de voto, e mais longe da maioria absoluta.

Arménio Belo/Lusa

O Expresso Diário publica esta sexta-feira uma sondagem que mostra o PS e o PSD se mantêm mais ou menos na mesma. Isto é, nem os sociais-democratas descem nem os socialistas sobem.

No entanto o PS é ainda o partido mais votado. Mas se as eleições fossem hoje, não conseguia maioria absoluta. Segundo o barómetro de setembro para a SIC e para o Expresso, o PS foi mesmo o partido que mais perdeu em relação a julho.

Os resultados do estudo da Eurosondagem Expresso/SIC, realizado entre 5 e 12 de Setembro, revelam que o PS desce 0,6 pontos percentuais para 41,4% das intenções de voto, e o PSD de Rui Rio apresenta uma ligeira subida de 0,2% para 27,5%, mostrando que o desgaste que transparece para o público, fruto das críticas internas, não está a afectar as intenções de voto.

O Bloco de Esquerda registou uma subida marginal nas intenções de voto de 0,1% para 8%, apesar do “caso Robles” – deputado bloquista que se demitiu depois da notícia do Jornal Económico sobre o seu investimento no mercado imobiliário, contradizendo assim o que o partido defendia sobre a “especulação imobiliária”.

Por sua vez o CDS de Assunção Cristas, com 7,7% das intenções de voto, sobe de 0,2 pontos percentuais face à sondagem de há dois meses.

A CDU  (comunistas) caiu 0,4 pontos percentuais para 6,9%, e o PAN (Pessoas-Animais-Natureza) manteve-se em 0%.

Ao nível da popularidade dos líderes, o Presidente da República registou uma subida de 0,1 pontos percentuais para 64,3%, e o primeiro-ministro desceu 0,5 pontos percentuais para 33,7%.

Rui Rio registou uma quebra de 1 ponto percentual para 9,9%.

 

Ler mais
Recomendadas

Eduardo Catroga no Parlamento: “Mito das rendas excessivas do setor elétrico é uma falsa questão”

Está a decorrer a audição do ex-presidente e atual vogal do Conselho Geral e de Supervisão da EDP no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. Catroga defende que as “alegadas rendas excessivas” não têm “qualquer fundamento técnico ou jurídico”.

Theresa May sobrevive à moção de censura

O resultado da votação parlamentar foi de 325 votos contra a moção de censura e 306 a favor. O futuro do processo da saída do Reino Unido da União Europeia permanece incerto, vinte e quatro horas depois de Theresa May ter sofrido a maior derrota no parlamento inglês, que chumbou o acordo sobre o Brexit.

Costa afirma que há condições políticas à esquerda para aprovar lei de bases da saúde

Estas posições foram defendidas por António Costa no seu discurso final num almoço promovido em parceria entre a Associação 25 de Abril e a revista “Ânimo”, do artista plástico e antigo jornalista e assessor de imprensa do Grupo Parlamentar do PS António Colaço.
Comentários