Subcomissão de Ética dividida na apreciação de incompatibilidades

Membros do BE e PCP votaram contra seis pareceres, enquanto os do PSD e CDS-PP abstiveram-se relativamente a dois casos que envolvem deputados do PS.Decisão final agendada para a próxima quarta-feira, na Comissão de Assuntos Constitucionais.

A Subcomissão de Ética (SE) voltou a reunir ontem e aprovou os pareceres sobre os sete casos de eventuais impedimentos de deputados (quatro do PS e três do PSD). Os pareceres foram elaborados por colegas dos mesmos partidos (PS e PSD) e apontam no sentido da inexistência de impedimentos. Os membros do BE e do PCP, José Manuel Pureza e Jorge Machado respetivamente, votaram contra seis dos pareceres. Por sua vez, os membros do PSD e CDS-PP abstiveram-se em dois casos referentes a deputados do PS. Na próxima quarta-feira, dia 12 de abril, a Comissão de Assuntos Constitucionais vai discutir os pareceres e realizar uma votação final.

Os pareceres mais controversos foram os que ilibaram Renato Sampaio (PS) e Luís Testa (PS) de sanções previstas no Estatuto dos Deputados (ED), apesar de deterem (através dos cônjuges) participações superiores a 10% em empresas que obtiveram contratos públicos, ao mesmo tempo que exerciam o mandato de deputados. O relator do parecer sobre Renato Sampaio (e seu colega do PS), Pedro Delgado Alves, alegou que essa situação foi corrigida em 2011, através da amortização da quota (de 15% para 8%) que o cônjuge detém na empresa de arquitetura do filho, Nuno Sampaio. Contudo, todos os relatórios comerciais da empresa (Nuno Sampaio – Arquiteto Lda.) entre 2011 e 2017 indicam que Maria Sampaio mantém uma quota de 15% e exerce as funções de sócia gerente. O Jornal Económico consultou ontem a certidão permanente dessa empresa e confirmou que a estrutura acionista não foi alterada.

Desde 2009, enquanto Renato Sampaio se manteve sempre na Assembleia da República como deputado, a empresa do filho obteve 15 contratos por ajuste direto de entidades públicas (como a Parque Escolar), faturando um valor global superior a 716 mil euros.

Quanto a Luís Testa, a situação só foi corrigida após a publicação da investigação do Jornal Económico. O impedimento ficou assim comprovado. Aliás, o próprio visado já o admitiu. “Para fazer sanar todo e qualquer indício de incompatibilidade, aquilo que a minha mulher fez é pôr a amortização da própria sociedade, a quota que tinha. Portanto, não há, a partir de agora, qualquer incompatibilidade que me possa ser assacada,“ declarou Testa, anteontem, à Rádio Campanário. No entanto, o parecer aprovado na Subcomissão de Ética não prevê a aplicação de qualquer sanção, ignorando “a obrigatoriedade de reposição da quantia correspondente à totalidade da remuneração que o titular tenha auferido pelo exercício de funções públicas, desde o início da situação de impedimento,” de acordo com a norma do ED. Seguindo a lógica desse parecer, aos deputados que cometam impedimentos, basta corrigi-los, após serem detetados. Não há sanções.
Nos casos de Luís Montenegro (PSD), Ricardo Bexiga (PS), Paulo Oliveira (PSD) e Fernando Macedo (PSD), os pareceres concluem que não há impedimentos porque se trata de profissões liberais – advocacia e revisão oficial de contas – que não se integram na atividade de “comércio e indústria”, como estipula o Artigo 21º (Impedimentos) do ED. Como tal, os deputados que mantêm a atividade paralela de advogados e revisores oficiais de contas (entre outras profissões liberais) podem firmar contratos de prestação de serviços com entidades públicas, inclusive o Governo e a Assembleia da República, sem quaisquer restrições.

Recomendadas

Eleições: lista de candidatos às legislativas já pode ser consultada na internet

Na página podem ser consultados as listas de candidatos, boletins de voto, e no dia das eleições, os resultados provisórios e a afluência às urnas.

Ministra da Saúde disponível para pedir desculpa quando é devida

Em causa está os resultados da ação da inspeção da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) a quatro plataformas eletrónicas de financiamento colaborativo (PPL, Novobancocrowdfunding, Boaboa e Crowdfunding) que estavam ativas no início do ano, entre as quais a que promoveu a campanha de recolha de fundos promovida pelos enfermeiros.

PAN defende transparência nos contratos com empresas de familiares de políticos

O porta-voz do PAN disse que o regime de incompatibilidades e o conflito de interesses em Portugal ainda está longe de estar bem regulamentado”. André Silva referiu que uma das propostas do partido passa pela criação de uma “plataforma” onde os “lobbistas, as pessoas e entidades que representam possam estar obrigatoriamente registadas”.
Comentários