Subida do nível dos oceanos. Nova Iorque tem plano de oito mil milhões para proteger Manhattan

As grandes metrópoles como Nova Iorque, as ilhas canadianas que são banhadas pelo Oceano Atlântico e Holanda são algumas das áreas que já sentem alguns efeitos das alterações climáticas, sendo que existem pessoas deslocadas devido ao aumento do nível do mar.

As grandes metrópoles mundiais podem vir a ser submersas por água do mar, devido à subida do nível do oceano. Vários países vão reunir-se em Nova Iorque, na Cimeira da Acção Climática patrocinada pela ONU, para discutir os efeitos das alterações climáticas que se têm sentido e o que se pode fazer para evitar os seus progressos, afirma o jornal espanhol ‘El País’.

O aumento do nível da água do mar, o degelo do Ártico, o aquecimento global que se tem sentido com o aumento das temperaturas e a sobrepopulação descontrolada são alguns dos temas que serão discutidos na Cimeira, que conta com a presença de António Guterres, Marcelo Rebelo de Sousa, João Matos Fernandes e Greta Thunberg.

As grandes metrópoles como Nova Iorque, as ilhas canadianas que são banhadas pelo Oceano Atlântico e Holanda são algumas das áreas que já sentem alguns efeitos das alterações climáticas, sendo que existem pessoas deslocadas devido ao aumento do nível do mar.

Os Estados Unidos têm sido fustigados por tempestades tropicais e furacões, com categorias elevadas. O furacão Sandy atingiu Nova Iorque, Nova Jersey e algumas ilhas em outubro de 2012 e expôs os pontos mais vulneráveis da cidade que nunca dorme. Em março deste ano, Nova Iorque apresentou um plano urbano que prevê a proteção da zona baixa de Manhattan contra inundações.

O plano apresentado prevê a criação de uma barragem de contenção e a expansão da zona terrestre para o mar, com um custo estimado de 10 mil milhões de dólares (8.963 milhões de euros). Diversos estudos científicos apontam que 37% da área metropolitana de Nova Iorque sofra inundações até 2050, caso os efeitos das alterações climáticas continuem, sendo que o nível do mar pode aumentar dois metros até 2100.

A Holanda é cercada por água, sendo atravessada pelos rios Reno, Meuse e Schelde. O país é protegido por uma rede de barragens, uma vez que 59% do país sofre o risco de inundações, e que 26% do território se situa abaixo do nível do mar e de existir 29% de hipóteses de os rios transbordarem. Ainda assim, o território holandês não está totalmente protegido, sendo que o aumento da temperatura do Mar do Norte pode fazer com que o nível da água suba até dois metros.

Este aumento pode significar o fecho propositado e permanente das barreiras do oceano, uma vez que a Holanda prevê deixar as barragens mais resistentes ao avanço do mar. Ainda assim, com uma construção, a Holanda quer permitir a entrada controlada de água, para não secar as pastagens agrícolas.

Nas ilhas do Canadá, o Ministério de Pesca e Oceanos esclareceu que os povos indígenas são os mais afetados. Um dos exemplos apontados é o da Ilha Lennox, onde a subida da água do mar já provocou o desaparecimento de mais de cinco mil metros quadrados de território, sendo que 50% da área total da ilha pode desaparecer dentro de 50 anos.

Ler mais
Recomendadas

Iberdrola negoceia fusão da subsidiária norte-americana com a PPL

Se as duas energéticas unirem operações, formar-se-á uma das maiores concessionárias de serviços públicos nos Estados Unidos da América, com cerca de 61 mil milhões em ativos sob gestão.

Água nas barragens algarvias dá para abastecer região até final do ano

Empresa responsável pela gestão do sistema municipal do abastecimento de água nos 16 municípios da região indicou que não existem “zonas críticas” de abastecimento às populações, já que a estação elevatória reversível de Loulé permite a “transferência de água de barlavento para sotavento e vice-versa”.

Petrolíferas vão entregar sete milhões de barris diários ao mercado durante a próxima década

Novas pesquisas realizadas pelo jornal britânico prevêem que a Shell e a ExxonMobil estarão entre os líderes do mundo petrolífero com uma projeção de aumento de produção em mais de 35% entre 2018 e 2030, sendo este o aumento mais acentuado dos últimos 12 anos.
Comentários