Suspensões no alojamento local em destaque na Assembleia Municipal de Lisboa de hoje

A reunião da Assembleia Municipal de Lisboa, decorrerá no Fórum Lisboa, está agendada para as 15 horas, e será palco da votação da proposta referente ao alojamento local,

Cristina Bernardo

A suspensão da autorização de novos registos de estabelecimentos de alojamento local nas áreas delimitadas e a promoção do acompanhamento e a monitorização das demais “zonas turísticas homogéneas” é um dos pontos na ordem dos trabalhos da reunião de hoje, 6 de novembro, da Assembleia Municipal de Lisboa.

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou no passado dia 25 de outubro, em reunião privada do executivo, a suspensão da autorização de novos registos de estabelecimentos de alojamento local em algumas zonas. Desta vez, em sessão extraordinária, e aberta ao público, este tema volta a merecer especial atenção.

Recorde-se que a proposta para suspender a criação de novas unidades nas zonas do Bairro Alto, Madragoa, Castelo, Alfama e Mouraria, foi aprovada com votos favoráveis de PS, BE e PCP, e os votos contra de PSD e CDS-PP, segundo avançou então a agência Lusa. A suspensão deverá abranger também zonas como o Príncipe Real, Graça ou o Cais do Sodré.

Nesta altura, Fernando Medina deu ainda nota de que estaria para breve a elaboração de um regulamento que enquadre as novas regras referentes a esta atividade económica. Um regulamento que visa, para além da contenção do impacto do alojamento local, contemplar o impulso que esta atividade tem dado ao nível da reabilitação de casas devolutas e requalificação de novas casas da cidade.

Nesta reunião, para além de um primeiro período de intervenção do público, serão ainda votadas as autorizações para a celebração do contrato de concessão da “Operação Renda Acessível Integrada” nas freguesias de Belém, Lumiar e Parque das Nações e na Vila Macieira (freguesia de São Vicente), através de concurso público e afetação de património imobiliário tal como identificado no Caderno de Encargos.

Recomendadas

BES. Solução para sucursais exteriores pode abranger cerca de 300 pessoas

Em declarações à Lusa, António Borges, presidente da direção da entidade, congratulou-se por, “finalmente, o Governo ter enquadrado os restantes lesados numa solução”, depois de um comunicado do gabinete do primeiro-ministro ter revelado que o Governo propôs às associações de lesados das sucursais exteriores do BES uma solução semelhante à do Banif, que prevê a delimitação de lesados não qualificados com vista à criação de fundo de recuperação.

Programa de aceleração de ‘startups’ de restauração anuncia hoje os dois projetos vencedores

É a primeira edição do novo programa de aceleração da responsabilidade da Startup Lisboa, que contou com a participação de 22 concorrentes, no segmento ‘tech’ e não ‘tech’.

BPI vai sair de bolsa a 1,47 euros, dois cêntimos acima da proposta do CaixaBank

CaixaBank vai pagar 1,47 euros por cada ação aos acionistas do BPI. Nos próximos três meses haverá uma ordem permanente de compra, permitindo aos acionistas do BPI venderem as suas ações ao grupo bancário espanhol.
Comentários