Suspensões no alojamento local em destaque na Assembleia Municipal de Lisboa de hoje

A reunião da Assembleia Municipal de Lisboa, decorrerá no Fórum Lisboa, está agendada para as 15 horas, e será palco da votação da proposta referente ao alojamento local,

Cristina Bernardo

A suspensão da autorização de novos registos de estabelecimentos de alojamento local nas áreas delimitadas e a promoção do acompanhamento e a monitorização das demais “zonas turísticas homogéneas” é um dos pontos na ordem dos trabalhos da reunião de hoje, 6 de novembro, da Assembleia Municipal de Lisboa.

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou no passado dia 25 de outubro, em reunião privada do executivo, a suspensão da autorização de novos registos de estabelecimentos de alojamento local em algumas zonas. Desta vez, em sessão extraordinária, e aberta ao público, este tema volta a merecer especial atenção.

Recorde-se que a proposta para suspender a criação de novas unidades nas zonas do Bairro Alto, Madragoa, Castelo, Alfama e Mouraria, foi aprovada com votos favoráveis de PS, BE e PCP, e os votos contra de PSD e CDS-PP, segundo avançou então a agência Lusa. A suspensão deverá abranger também zonas como o Príncipe Real, Graça ou o Cais do Sodré.

Nesta altura, Fernando Medina deu ainda nota de que estaria para breve a elaboração de um regulamento que enquadre as novas regras referentes a esta atividade económica. Um regulamento que visa, para além da contenção do impacto do alojamento local, contemplar o impulso que esta atividade tem dado ao nível da reabilitação de casas devolutas e requalificação de novas casas da cidade.

Nesta reunião, para além de um primeiro período de intervenção do público, serão ainda votadas as autorizações para a celebração do contrato de concessão da “Operação Renda Acessível Integrada” nas freguesias de Belém, Lumiar e Parque das Nações e na Vila Macieira (freguesia de São Vicente), através de concurso público e afetação de património imobiliário tal como identificado no Caderno de Encargos.

Recomendadas

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.

Auditores aprovaram contas da Parpública de 2019 com uma ênfase por causa da Covid-19

“A situação de crise de saúde pública que se vive nesta data em Portugal e no mundo irá seguramente provocar impactos sobre toda a economia, e portanto também sobre todas as empresas participadas e sobre a holding, os quais, são, nesta data, ainda impossíveis de caracterizar e quantificar”, dizem os auditores das contas da dona de 72,5% da TAP e da recente nacionalizada Efacec.

BdP recomenda aos consumidores que atualizem os contactos junto do banco no processo de autenticação forte do cliente

Em comunicado, o BdP recomendou “aos consumidores que atualizem, até agosto, os seus contactos junto do seu banco/prestador de serviços de pagamento e que adiram às soluções de autenticação forte, idealmente até ao final de outubro, para continuarem a efetuar compras online com cartão”.
Comentários