TACV: comissão parlamentar de inquérito retoma audições segunda-feira

Ao todo, vão ser ouvidas 26 personalidades, entre as quais o actual presidente do conselho de administração da TACV, José Luís Sá Nogueira, o ministro da Economia e Emprego, José Gonçalves, e o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia.

Ler mais

A comissão parlamentar de inquérito (CPI) que investiga a gestão da transportadora aérea TACV desde 1975 – data da independência de Cabo Verde – até hoje, vai retomar as audições dos principais intervenientes na gestão da companhia na segunda-feira, 5 de Março.

Ao todo, vão ser ouvidas 26 personalidades, entre as quais o actual presidente do conselho de administração da TACV, José Luís Sá Nogueira, o ministro da Economia e Emprego, José Gonçalves, e o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia.

Segundo o mapa de entrevistas disponibilizado pela Assembleia Nacional, serão ainda ouvidos o comandante Eduíno Moniz, ex-administrador da empresa; Rui Araújo, antigo assessor jurídico da ex-ministra das Finanças, Cristina Duarte; e Manuel Inocêncio Sousa, ex-ministro das Infra-estruturas.

O antigo ministro das Infraestruras e Transportes Teófilo Figueiredo e o antigo ministro das Infraestruturas e da Economia Marítima José Maria Veiga também estão na lista.

Esta CPI tem agendadas audições também com antigos gestores e ex-representantes dos pilotos, do pessoal de cabine e funcionários.

Desde Novembro de 2017 já foram ouvidos antigos gestores e governantes com a tutela da empresa no período inicial de actividade. Na segunda fase, entre 29 de Janeiro e 2 de Fevereiro, estiveram diante da CPI os dirigentes mais recentes da companhia aérea de bandeira cabo-verdiana.

Criada em Julho, a CPI que investiga a gestão na TACV surgiu por proposta do MpD, partido no poder, que antecipou uma outra proposta do PAICV, partido maioritário na oposição

De lembrar que a transportadora aérea nacional deixou de fazer voos domésticos em Agosto de 2017, tendo o Governo atribuído à Binter CV – de capital das Canárias – o monopólio nas ligações inter-ilhas, ficando a TACV apenas com a vertente internacional, a cargo da Icelandair, companhia islandesa de aviação.

O grupo de Rejkiavik  assinou um acordo, válido por um ano, com o Governo de Cabo Verde para a gestão da operação internacional da companhia e reestruturação da empresa com vista à sua privatização.

A companhia aérea pública cabo-verdiana acumula mais de 100 milhões de euros de passivo.

Relacionadas

TACV reforça voos entre Lisboa e o mercado brasileiro

Os voos serão operados com Boeing B757 com 160 lugares em económica e 22 lugares Comfort Class.
Recomendadas

Cabo Verde: preços dos produtos importados aumentaram 2,0% em agosto

Relativamente ao mês de agosto de 2017, o índice de preço da importação aumentou 10,9% face ao mês de Agosto de 2017, os índices, subjacente e volátil na importação, verificaram em Agosto de 2018, acréscimos de 13.1% e de 5,4%, respetivamente.

PremiumMark Clattenburg: “É difícil introduzir o vídeo-árbitro nas competições da UEFA”

Dirigiu a final do Europeu de 2016 entre França e Portugal e atualmente é o responsável pela arbitragem na Arábia Saudita, onde a introdução do vídeo-árbitro “foi o melhor que podia ter acontecido”.

Transporte aéreo: AAC publica tabela com novas tarifas máximas inter-ilhas e reduz preços

Os preços dos bilhetes para as ligações aéreas inter-ilhas em Cabo Verde aumentaram, depois da atribuição do monopólio dos voos domésticos à Binter, segundo a da Agência de Aviação Civil (AAC)
Comentários