Talibãs enviam carta a Guterres a pedir para discursar na assembleia da ONU

O reconhecimento internacional, que passa necessariamente pela ONU, é um ponto importante do novo regime, nomeadamente para conseguir fundos para o relançamento da economia.

António Guterres

Em declarações ao JE, o comentador Francisco Seixas da Costa já o tinha referido: “será interessante ver as movimentações dos talibãs relativas à 76ª Assembleia Geral das Nações Unidas, onde o representante do Afeganistão pertence ao regime deposto” em agosto. A resposta foi dada esta quarta-feira: o novo regime endereçou uma carta a António Guterres solicitando que a assembleia ouvisse um representante dos talibãs.

Do pouco que se sabe sobre o assunto, apenas está confirmado que o Comité de Credenciação da ONU, que determina quem é reconhecido como representante de um determinado país, não deve tomar uma decisão sobre o Afeganistão antes do fim desta semana de reuniões e intervenções de alto nível. Na prática, isso quer dizer que o representante dos talibãs não será admitido no alinhamento dos chefes de Estado e de governo que têm usado da palavra ao longo da 76ª Assembleia Geral. Uma posição sobre a matéria será por certo avançada mais tarde – uma vez que o assunto não é de molde a ser deixado no esquecimento.

O ministro talibã dos Negócios Estrangeiros, Amir Khan Muttaqi, fez o pedido numa carta enviada a António Guterres na passada segunda-feira, na qual avançava como representante do novo governo Suhail Shaheen e retirava a confiança a Ghulam Isaczai, o embaixador que representa o governo deposto.

Apesar de ser improvável que Shaheen fale à assembleia, é também improvável que o representante talibã não seja aceite, uma vez finda a ronda de intervenções (que acabará na próxima segunda-feira). A aceitação do novo representante na ONU será um passo decisivo para o reconhecimento internacional do novo regime – e a consequente libertação de fundos necessários para a economia afegã.

Citado pela agência Reuters, Guterres disse que o desejo dos talibãs de reconhecimento internacional é a única alavanca que outros países têm para pressionar a formação de governo inclusivo e de respeito pelos direitos humanos no Afeganistão.

De qualquer modo, a Alemanha apressou-se a tomar uma posição: “Agendar um show nas Nações Unidas não vai servir para nada, o que é importante são ações concretas e não apenas palavras, inclusivamente sobre direitos humanos e em particular os direitos das mulheres e sobre um governo inclusivo e distanciado de grupos terroristas”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Heiko Maas, a repórteres presentes no edifício da ONU em Nova Iorque.

 

Recomendadas

“A Arte da Guerra”. “Zemmour? Em França, há muita gente à direita que nunca votará Le Pen”

O surgimento de um novo protagonista nas presidenciais francesas foi um dos temas em análise por parte do embaixador Francisco Seixas da Costa, na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV.

‘Best-seller’ Carmen Mola ganha prémio mas quem o recebe são três homens por trás do pseudónimo

“Não nos escondemos atrás de uma mulher, escondemo-nos atrás de um nome”, evidenciaram Agustín Martínez, Jorge Días e Antonio Mercero.

Estado de emergência na Alemanha termina a 25 de novembro

O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde alemão, Jens Spahn que diz que o país está a “a passar de um estado de emergência para um estado de cautela especial”.
Comentários