Tancos: Fábrica de notas no Carregado pode estar na mira dos assaltantes

Autoridades preocupadas com a possibilidade de o material militar roubado em Tancos ser utilizado para assaltar Complexo do Carregado do Banco de Portugal, onde são fabricadas e armazenadas as notas que vão entrar em circulação no país. Grande parte da reserva de ouro do país encontra-se também no local.

A reunião de ontem, que juntou polícias, militares e serviços secretos, concluiu que há possibilidade do material militar de Tancos ter sido roubado para atacar o Complexo do Carregado do Banco de Portugal ou os transportes blindados desse local, noticia o Correio da Manhã.

Na semana passada, cerca de uma centena de granadas, várias munições e explosivos foram roubados dos paióis da base militar de Tancos, que fica a apenas 90 km de distância do Complexo do Carregado, onde é fabricado e armazenado o dinheiro do Banco de Portugal. O local que armazena mais de metade das reservas de ouro do Banco de Portugal pode estar agora na mira dos assaltantes, ainda assim, a instituição não está sob alerta máximo. Fonte do Banco de Portugal revelou ao CM que “não se alterou, em nada, as medidas de segurança no Complexo de Carregado”.

Importa salientar que, tanto a segurança do perímetro exterior do Complexo do Carregado, como o transporte de valores em carrinhas próprias é assegurado por um unidade especial da GNR. O Banco de Portugal está encarregue da segurança dentro das instalações.

 

Recomendadas

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

Manifesto X de Pedro Duarte quer índice de “Felicidade Interna Bruta” a medir desenvolvimento nacional

Medida conta na lista de 100 propostas apresentadas esta segunda-feira pelo social-democrata Pedro Duarte, crítico da liderança de Rui Rio, para a construção de uma sociedade “de bem-estar e felicidade”, mais justa, inclusiva e ecologicamente sustentável.

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.
Comentários