Tancos: Fábrica de notas no Carregado pode estar na mira dos assaltantes

Autoridades preocupadas com a possibilidade de o material militar roubado em Tancos ser utilizado para assaltar Complexo do Carregado do Banco de Portugal, onde são fabricadas e armazenadas as notas que vão entrar em circulação no país. Grande parte da reserva de ouro do país encontra-se também no local.

A reunião de ontem, que juntou polícias, militares e serviços secretos, concluiu que há possibilidade do material militar de Tancos ter sido roubado para atacar o Complexo do Carregado do Banco de Portugal ou os transportes blindados desse local, noticia o Correio da Manhã.

Na semana passada, cerca de uma centena de granadas, várias munições e explosivos foram roubados dos paióis da base militar de Tancos, que fica a apenas 90 km de distância do Complexo do Carregado, onde é fabricado e armazenado o dinheiro do Banco de Portugal. O local que armazena mais de metade das reservas de ouro do Banco de Portugal pode estar agora na mira dos assaltantes, ainda assim, a instituição não está sob alerta máximo. Fonte do Banco de Portugal revelou ao CM que “não se alterou, em nada, as medidas de segurança no Complexo de Carregado”.

Importa salientar que, tanto a segurança do perímetro exterior do Complexo do Carregado, como o transporte de valores em carrinhas próprias é assegurado por um unidade especial da GNR. O Banco de Portugal está encarregue da segurança dentro das instalações.

 

Recomendadas

Bloco de Esquerda faz ‘contra-cimeira’ e critica “liberalismo europeu bastante extremado”

A contra-cimeira organizada pelo Bloco de Esquerda, que contou com a presença do Partido da Esquerda Europeia, acontece no mesmo dia em que decorre a cimeira social dos líderes europeus no Porto. 

António Guterres promete ser “construtor de pontes” em segundo mandato à frente da ONU

Único candidato formal a secretário-geral das Nações Unidas, por ter sido o único a ser nomeado por um Estado-membro (Portugal) e a ser validado pelo Conselho de Segurança da ONU, António Guterres apresentou-se esta sexta-feira à Assembleia Geral.

Ursula von der Leyen: “Não deveria importar ser-se homem ou mulher. Salário igual para trabalho igual” (com áudio)

A presidente da Comissão Europeia afirmou esta sexta-feira, na sessão de abertura da Cimeira Social, no Porto, que a UE tem uma “economia humana”, mas realçou que a pandemia veio mostrar a necessidade de dar respostas sociais.
Comentários