TAP ainda tem 46 mil pedidos de reembolso por processar (com áudio)

De acordo com a nota divulgada, a TAP assume que já foram reembolsados aos consumidores 668 milhões de euros desde o início da pandemia.

A TAP garante que, desde o início da pandemia, que já processou 98% dos pedidos de reembolso efetuados a nível global. Feitas as contas, foram reembolsados aos consumidores 668 milhões de euros, informa a companhia aérea portuguesa, esta sexta-feira, em comunicado.

Em números absolutos, explica a nota, a TAP recebeu 2,284 milhões de pedidos de reembolso, “dos quais se encontram pendentes ao dia de hoje 46 mil pedidos de reembolso, evidenciando o esforço e empenho da TAP na resolução rápida deste desafio”.

O esclarecimento surge na sequência de uma notícia avançada pelo “Expresso“, que dá conta que a TAP acumulou 657,5 milhões em vouchers de viagens adiadas, um montante acima dos 602 milhões de euros registados até ao fim do ano passado. No entanto, a TAP esclarece que se tratam de “bilhetes por voos que ainda não realizou” e não vouchers.

“A TAP esclarece que, como qualquer outra companhia aérea, vende antecipadamente os bilhetes para os seus voos. A cobrança dos bilhetes não é realizada a bordo, nem após a prestação do serviço, mas sim antes do voo se realizar, como é prática de toda a indústria mundial”, lê-se no comunicado.

Notícia atualizada às 12h09

Recomendadas

Toyota movido a hidrogénio bate recorde: 1.360 km sem reabastecer

O Toyota Mirai bateu o recorde de distância com um único tanque para os automóveis a hidrogénio.

Presidente demissionário da CP explica decisão no Parlamento. Veja em direto

A pedido do PSD, Nuno Freitas é ouvido esta quarta-feira na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação a pedido do PSD, para falar da sua saída e do futuro da empresa.

Operação “Cifras Negras”: PJ desmantela rede criminosa que branqueou sete milhões de euros em bancos nacionais (com áudio)

Quatro pessoas foram detidas por associação criminosa e branqueamento de capitais, revelou hoje a Polícia Judiciária (PJ), dando conta que grupo organizado, de cariz transnacional, utilizava o território nacional através de abertura de contas em vários bancos portugueses para fazer circular capitais através de empresas de fachada que constituía para o efeito.
Comentários